83 anos de caminhada

Somos parte da igreja invisível de Deus no mundo

“Só posso crer no que você diz. E o que vai fazer agora?”. Esta foi a frase ouvida pelo Pr. João Augusto da Silveira, vinda da boca da sua esposa, Marcionilia Ferreira da Silveira, logo após ele receber o batismo no Espírito Santo, em 24 de janeiro de 1932. Em resposta afirmou: “Se eu pregava a necessidade do batismo no Espírito Santo, sem ainda o ter recebido, com maior convicção o farei doravante”. Depois disso, abraçaram-se e choraram muito (Marcos que Pontilham o Caminho, 2002, p.51). Esta é só uma das cenas narradas no livro que conta a história da Igreja Adventista da Promessa sobre este dia.

 

O dia 24 de janeiro de 1932 é muito caro para os crentes em Jesus da Igreja Adventista da Promessa. Nesta data, o fundador do nosso movimento, recebeu o batismo no Espírito Santo, experiência que serviu como uma das molas propulsoras para a existência da IAP. Conforme entendemos, o batismo no Espírito Santo é uma experiência espiritual intensa em que a vida do crente é submersa no Espírito de Deus, cercada, cheia, coberta do poder e da presença de Deus. Como uma roupa que é imersa na água, assim os crentes se acham cercados, cobertos, cheios do poder e da presença do Espírito Santo (O Doutrinal, 2012, p.99).

 

Assim como disse a sua esposa, logo após ser batizado no Espírito Santo, o pr. João Augusto da Silveira saiu a campo para pregar sobre esta dádiva. No dia seguinte já saiu de casa e iniciou sua caminhada para contar a seus amigos, parentes e tantos quantos desejassem ser informados. Só voltou para casa uma semana depois! E várias pessoas também experimentaram o batismo no Espírito Santo por onde ele passava com esta mensagem. Até que surgiu, naturalmente, mesmo não sendo esta sua intenção (pois nunca teve a pretensão de ser fundador de uma igreja ou líder de um movimento religioso), a Universal Assembleia dos Adventistas da Promessa, registrada em cartório em Recife (PE), em 17 de dezembro de 1936. Só em julho de 1943, numa assembleia em São Paulo, o nome seria mudado para Igreja Adventista da Promessa.

 

Fato é que, a contar da experiência vivida em 24 de janeiro de 1932, já completamos 83 anos de caminhada em 2015. São 83 anos caminhando e contando sobre esta dádiva. Os nossos pés continuam sendo instrumentos a nos levar a anunciar, para quem desejar ouvir, que Jesus batiza no Espírito Santo. Cristãos cheios do Espírito, com a vida rendida ao Salvador, têm sido usados no decorrer deste tempo para proclamar as boas novas de salvação e para sinalizar o reino de Deus com palavras e obras, nos lugares que Deus tem permitido que chegue a IAP.

 

E assim continuaremos a nossa caminhada. Somos parte da igreja invisível de Deus no mundo (expressão muito usada pelo Pr. João Augusto). Fazemos parte da igreja edificada por Jesus, pertencente a ele, contra a qual as portas do inferno não prevalecem (Mt 16:18). E porque nosso mestre fala de portas que não prevalecem contra sua igreja? Jesus falava no contexto das cidades muradas, onde a porta é o último bastião, a última defesa; se as portas não resistem ao ataque, a cidade é invadida e tomada (RAMOS, Ariovaldo. Igreja: e eu com isso?, 2012, p.22). Então, Jesus usou esta imagem, pois a igreja que seria edificada; seria uma igreja vitoriosa! Somos parte deste povo!

 

No poder do Espírito Santo, continuemos firme nossa caminhada, ao lado de Jesus!

 

Pr. Eleilton William de S. Freitas é colaborador do Departamento de Educação Cristã (DEC) da Igreja Adventista da Promessa.

%d blogueiros gostam disto: