A corrida pastoral

Aprendemos com o apóstolo Paulo sobre o preparo espiritual para o ministério

O ministério pastoral, na visão de Paulo, é comparado a uma corrida. Quando Paulo escreveu sua última carta endereçada ao jovem pastor Timóteo, disse: “Combati o bom combate, acabei a carreira e guardei a fé”(2 Tm 4.7, grifo nosso). A ideia de Paulo aqui nesse texto é comparar os labores ministeriais com uma carreira.
Era o final da vida de Paulo, ele tinha autoridade para falar da lida pastoral, pois durante o percurso passou pela pista do sofrimento, foi rejeitado, sofreu naufrágio, foi espancado em plena praça pública, foi preso e abandonado. Foi difícil sua trajetória, no entanto, não desanimou diante da oposição e quando foi preso escreveu aos Filipenses: “… as coisas que aconteceram comigo contribuíram para o progresso do evangelho” (Fl 1.12).
O atleta precisa de preparo físico para a corrida e seu condicionamento será fundamental para cruzar a linha de chegada. Assim também é o ministério pastoral, é necessário preparo espiritual para se manter firme na corrida ministerial. É preciso preparo para encarar o púlpito, um aconselhamento, um estudo bíblico, uma reunião administrativa. Não tem segredo no preparo: Bíblia, oração, jejum, devocional diário e comunhão; com esses aparatos, nossa corrida será bem-sucedida e nossos passos seguirão firmes e fortes rumo à Canaã Celestial.
Na Olimpíada da Grécia em 2004, o atleta Vanderlei Cordeiro de Lima vinha liderando a maratona quando foi surpreendido por um fanático “religioso” irlandês que o agarrou e o beijou a face. Vanderlei perdeu a liderança, mas não desistiu da corrida e chegou em terceiro, mas há unanimidade em que ele foi o verdadeiro vencedor da maratona.
Quantos pastores têm sua carreira impedida antes de cruzar a linha de chegada? O que os têm impedido de correr: a depressão pastoral; o estresse; o desgaste; a família? Há pastores correndo sem preparo e outros sem entenderem o motivo pelo qual estão na corrida ou ignorando as regras existentes (2 Tm 2.5).
Paulo não reclamou da corrida ministerial, até mesmo na prisão ele louvava a Deus. Sua convicção na carreira era fortalecida em Cristo (Fl 4.13). É lamentável e triste ver pastores abandonando a corrida; reclamando do ministério, das ovelhas, do pasto, da denominação; guardando mágoas em seus corações; desonrando aquele que o chamou para fazer sua obra.
Paulo encerra sua corrida ministerial guardando a fé. Sua certeza e esperança é tão louvável que expressa o amor à vinda de Jesus: “Desde agora, a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, justo juiz, me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos os que amarem a sua vinda” (2 Tm 4.8).
Pastores, estamos na mesma corrida, Cristo é o nosso alvo. Vale a pena correr em direção a ele, não importam as prisões e nem os sofrimentos. Essa é a parte árdua de toda caminhada, mas a medalha que será colocada em nosso peito não se compara a nenhuma vitória que alcançamos nesta vida.
Continuemos correndo! Se nos mantivermos firmes, nosso galardão é certo!

Pr. Thiago Rivoredo Braga e Marcilene Braga, casal ministerial da Convenção Norte.

%d blogueiros gostam disto: