A grande virada

O balanço da vida é importante, pois nos faz pensar no que fizemos e corrigir atitudes, para o futuro que nos resta


Recentemente, recebi de um irmão um CD gospel cantado por Elvis Aaron Presley, considerado o mais famoso músico de carreira solo do século XX. Fiquei vários dias ouvindo sua impressionante e inconfundível voz.  Uma dádiva de Deus. Sua fama ainda hoje é tão marcante que a mansão onde morou, em Memphis, no Tennessee, dizem, é o segundo endereço mais visitado nos Estados Unidos, perdendo apenas para a casa Branca. Sua morte prematura aos 42 anos no banheiro da mansão em 16 de agosto de 1977 ainda é rodeada de mistérios. Quais foram as últimas decisões de seu coração? Será que se reencontrou?

Enquanto lia sua intensa e curta trajetória, pude pensar em como a vida se apresenta a nós.  Chega um tempo em que, sensatamente, temos que olhar para o passado e pensar limpamente no futuro que nos resta. Admitir o quão frágil e curta a existência é. Tomar a decisão, ter coragem e enfrentar a realidade. Refletir sobre o que fizemos e deixamos de fazer. Notar as implicantes consequências de nossos atos e assumir por inteiro cada um deles, devolvendo no mínimo, duplicado, a quem tenhamos defraudado. Aos que negamos obediência, mais obediência, aos que negamos o amor, muito mais amor.

Verdade seja escrita, abaixo toda a resistência, por mais que outros possam ter contribuído, somos nós mesmos os maiores responsáveis por aquilo que nos acontece. Aqui vale lembrar a inerrante lei da semeadura, plantio e colheita. Se nos encontrarmos mal, com os celeiros da existência cheios de ervas daninhas, creiamos que há tempo de semear para uma nova e boa história. Sem vícios, enganos, culpas ou vaidades. Reeditar, refazer o que não fizemos bem. Simplificar, sentir prazer em servir, desintoxicar o EU.

A vida é generosa para todos e Deus ofertará, com certeza, aos homens de boa vontade, o momento racional para as grandes viradas. Quando a bondade e a misericórdia encontrarão lugar para descansar e agir em nós.

Quanto ao Elvis, com certeza, sabia como se reencontrar, pois poucos cantaram tão profundamente Amazing Grace (Maravilhosa Graça):

“Maravilhosa Graça que, perdido, me encontrou.

Estando cego, pude ver, Cristo me resgatou.

Quando sua graça me tocou, do meu medo livrou.

Quão preciosa é para mim a graça do Senhor.”

 

Pr. Ismael Narcizo é responsável pela IAP em Douradina (MS)

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: