A Origem da Gráfica

A Gráfica tem longa história de eventos pitorescos a contar, na trajetória da literatura da IAP – Igreja Adventista da Promessa. Ela teve seu nascedouro nos primórdios da década do ano de 1940, funcionando de forma simples e rude, no bairro de Santana, na rua Dr. Cezar, 1203, na cidade e capital de São Paulo, onde foram compostos e impressos os primeiros folhetos, Lições Bíblicas, Brados de Júbilo e demais materiais de expediente da IAP.

A Gráfica tinha diante de si grandes desafios, quais sejam: potencialidades técnicas e administrativas, para atender aos reclames advindos de sua razão de ser. Dentre muitos, amparo jurídico e tributário, cujas providências foram de imediato tomadas.

Sempre se acreditou nos resultados advindos da “página impressa”, no dizer dos saudoso pastor Otoniel da Silveira.

Na época a Igreja desenvolvia intenso trabalho missionário, em diferentes lugares e bairros da cidade, cuja sustentação era dada por sua literatura modesta, porém, largamente distribuída.

Os propósitos eram tornar conhecidas porções da palavra de Deus através de revistas, jornais, folhetos, livros e outros. A Editora usufruía e usufrui de certos benefícios para tais objetivos, amparados nas legislações tributária e fiscal, próprias para a matéria.

Tendo em vista esses objetivos, foram preparados os instrumentos de constituição e a Gráfica foi registrada na Junta Comercial do Estado de São Paulo, em 02 de Junho de 1961, sob razão social de “Gráfica e Editora A Voz do Cenáculo Ltda”, por tempo indeterminado.

“A Voz do Cenáculo” – Expressão que recorda o vozerio e o lugar de onde, o poder de Deus se fez ouvir, quando da descida do Espírito Santo, sobre cento e vinte seguidores de Cristo. A indicação do nome foi do saudoso pastor “Godô” e todos foram concordes. Esse nome foi por ele mesmo dado ao programa radiofônico, mantido pela igreja durante 20 anos, inicialmente pela Rádio América de São Paulo – Programa Radiofônico – “A Voz o Cenáculo”.

Gráfica era apenas o direito de atuar na prestação de serviços comerciais para terceiros, cujos recursos seriam destinados a baratear os custos operacionais, vinculados à editora. Editora – Estabelecimento gráfico que se encarrega de fazer e/ou publicar livros, revistas, jornais e outros, com benefícios tributários próprios, amparados na legislação que rege a matéria.