A voz do Cenáculo se fez ouvir

Naquele 24 de janeiro, o Pr. João Augusto se levanta da mesa após o jantar; entra no seu quarto para orar e o milagre de Pentecostes o encontra

O Senhor Jesus Cristo havia ressuscitado. Dali até o dia em que subiria definitivamente para os céus, passariam quarenta dias. Neste período, o Senhor daria as últimas instruções para os seus discípulos. Entre elas, após a sua ascensão, deveriam retornar para a cidade de Jerusalém, onde deveriam esperar o cumprimento da promessa feita pelo Pai, de que “derramaria do seu Espírito sobre toda a carne”, conforme profetizado por Joel.
Quarenta dias se passaram. Terras de Betânia, anjos nos céus, o Senhor flutua, arrebatado, deixa a terra e é recebido pelos anjos nos céus: “Levantai, ó portas, as vossas cabeças; levantai-vos, ó entradas eternas, e entrará o Rei da Glória. Quem é este Rei da Glória? O Senhor forte e poderoso, o Senhor poderoso na guerra”. Sl 24:7,8.
Os discípulos retornam para Jerusalém. Entram no Cenáculo. Sete dias orando. Estão assentados. Jerusalém está em festa. Pentecostes. Cinquenta dias se passaram desde o início da festividade: a Páscoa. Muitos fazem as malas, preparam os animais, compram comida para a longa viagem de retorno. Judeus de 17 nacionalidades estão lá. Mas o melhor da festa estava por vir.
No apagar das luzes, na última cena. É o último dia das festas e algo glorioso acontece. Há uma voz poderosa e estranha vinda de um Cenáculo! O fenômeno atrai milhares. Todos em volta daquela pequena casa de alguns dos discípulos de Cristo, cuja sala de jantar no andar superior se tornou palco de um dos maiores acontecimentos da história: “começaram a falar noutras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem”. Atos 2:4.
Alguns zombavam: “Estão cheios de mosto”. (Atos 2:13) Outros glorificavam: “temos ouvido em nossas próprias línguas falar das grandezas de Deus.” (Atos 2:11). Pedro explica o fenômeno: “Que do meu Espírito derramarei sobre toda a carne” (Atos 2:17). Mas, como bem ensinou o apóstolo, a voz do Cenáculo não se calaria ali: “Porque a promessa vos diz respeito a vós, a vossos filhos, e a todos os que estão longe, a tantos quantos Deus nosso Senhor chamar.” (Atos 2:39).

Em 1932, a história se repete
Ano de 1932 e a mesma voz se fez ouvir. Um homem simples, alagoano da cidade de Murici, por nome de João, recebe o batismo no Espírito Santo, conforme experiência apostólica registrada em Atos 2. Numa casinha simples, na cidade de Paulista (PE), num domingo quente do verão nordestino, a noite estava chegando. Naquele 24 de janeiro, ele se levanta da mesa após o jantar; entra no seu quarto para orar e o milagre de Pentecostes o encontra.
Ah! como a história se repete. Não pedi para ser batizado com o Espírito Santo, mas aquele que prometeu o Consolador aos seus discípulos e O deu lá no Cenáculo e, posteriormente, à Sua Igreja, respondeu à minha oração. Em línguas estranhas e glorificações ao Pai e ao Cordeiro Exaltado, o Espírito Santo completou em meu ser a obra excelsa da Trindade. Possuído do gozo que experimentava o meu coração, levantei-me da oração e glorifiquei a Deus pelo que havia recebido”, registrou o pr. João Augusto da Silveira, o fundador da Igreja Adventista da Promessa. A voz que veio do Cenáculo invadiu o coração do pastor. A voz do Cenáculo foi ouvida naquele casebre! Glória a Deus!
Já se vão 86 anos de nossa história denominacional. Com alegria e responsabilidade, a IAP tem dado sua modesta, mas importante, contribuição na semeadura do evangelho de Cristo. Olhando para trás, estas décadas são testemunhas de muitas lutas e vitórias, tristezas e alegrias, choros e risos. Mas, “até aqui nos ajudou o Senhor“.
Esta amada “senhora” tem semeado o evangelho de Jesus Cristo em solo brasileiro e em outras nações, apregoando a regeneração, a justificação pela fé, a adoção, a santificação e a glorificação. Olhando para o presente, testemunhamos um novo tempo! De Movimento à Igreja! Do interior para a cidade! Do quase anonimato para publicações respeitadas! Lindos templos! Literaturas excepcionais! Presente em todos os Estados do Brasil! De alguns para milhares! “Grandes coisas fez o Senhor por nós e por isso estamos alegres”.
No futuro, novos desafios nos aguardam. Santidade inegociável! O Espírito Santo, que tem agido em nosso meio de forma tão especial, governa a Igreja de Cristo. Como o Verbo precisou de um corpo para que, humanizado, cumprisse seu ministério, o Espírito Santo precisa de um corpo para cumprir sua obra. Este corpo é a Igreja. Ele está na Igreja; Ele cuida da Igreja. Ele zela pela Igreja. Como parte da Igreja de Cristo, universal, invisível, sejamos crédulos na mesma promessa: “Eis que envio sobre vós a promessa de meu Pai: mas ficai na cidade de Jerusalém até que do alto sejais revestidos de poder”.
Que sejamos alcançados com a mesma voz: “E começaram a falar noutras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem” (Atos 2:4). E que vivamos intensamente esta dádiva: “Porque a promessa vos pertence a vós, a vossos filhos, e a todos os que estão longe, a tantos quantos Deus nosso Senhor chamar.” At 2.39.

Pr. Alessio Gomes, responsável pela IAP em Vila Maria (São Paulo, SP).