Além da microcefalia

Meu filho nasceu com a doença, mas entendi o propósito do Senhor e sou grata a Ele

Eu e meu esposo, Jorge Yoshida, planejamos nosso primeiro filho e, quando eu engravidei, os médicos disseram que os exames realizados confirmaram que tudo estava bem. Chegou o grande dia, 9 de junho de 2012, e na hora do parto, a surpresa… O médico me disse: “seu filho nasceu com problema, ele tem microcefalia. Quero sua autorização para levá-lo a outro hospital, para realizar alguns exames.”

Naquela mesma hora, respondi: “eu o amo de qualquer maneira”. Feitos os exames, constatou-se a microcefalia e assim ficamos um mês internados na maternidade, para ele tomar medicamentos. Após a alta, fomos encaminhados para a APAE, para acompanhamento do caso. O que não sabíamos é que ele teria epilepsia, convulsão, parada respiratória e cardíaca, além de várias apneias durante o dia. Em tudo isso, Deus estava nos capacitando e mostrando Seu amor.

Aos 7 meses ele aspirou secreções, então, a partir daí, se alimentava por sonda gástrica e passou a usar cateter de oxigênio. Aprendi a trocar a sonda e aspirá-lo. Meu amor por ele crescia cada dia, vendo sua luta para viver. Nesse tempo começamos o estudo bíblico em nossa casa, pois ainda não conhecíamos algumas verdades da palavra de Deus.

No primeiro dia de estudo, o Yudi passou muito mal e tivemos que levá-lo ao hospital onde ficou internado por três meses na UTI e um mês no quarto. Eu disse ao pastor que, assim que ele tivesse alta, continuaríamos os estudos pois queria que a família estivesse completa. Para ele ter alta era necessário ter o aparelho de oxigênio e pelo SUS (Sistema Único de Saúde), iria demorar cerca de seis meses. Foi então que Deus uma providência, uma amiga nossa, chamada Adriana, que se prontificou: “é isso que precisa para ele ter alta? Então, preparem a alta que estou indo alugar agora (na época, custava R$ 350,00 ao mês).” Quando eu perguntei quem iria pagar, ela respondeu que iria pagar enquanto ele precisasse!

Fomos para casa e tivemos o estudo da palavra de Deus. Fiquei conhecendo o Projeto SARA (Semeando Amor, Resgatando Almas) e que meu filho Yudi tinha uma mãe de oração. Novamente, ele passou mal e fomos ao hospital. Quando chegamos, o médico disse que o coraçãozinho dele não estava batendo e para reanimá-lo era necessário cerrar o tórax. Nesse momento, olhei para o céu e disse: “Senhor, me deste o Yudi por um propósito, então que eles não precisem fazer esse procedimento, mostra para eles que o Senhor é o Deus que eu sirvo.” Logo em seguida, veio em médico que disse: “não será preciso, aquelas batidas que você deu no peito dele, durante o trajeto, e quando colocou o dedo na gargante, para ele respirar, fizerm com que o coraçãozinho voltasse a bater”. Para glória de meu Deus!

Conta em branco
Fomos transferidos para UTI de um hospital com melhores condições, mas assim que chegamos fomos informados que nosso plano de saúde não cobria os gastos pois ainda estava na carência. Ficamos desesperados e ali estava novamente nossa amiga Adriana. Ela disse para deixa-lo ali mesmo que ela venderia o que fosse preciso para custear o tratamento a ele! Ele ficou internado dois meses naquele hospital e quando chegou a hora da alta veio a conta e disseram que estava em branco (nada a pagar)! Foi Deus, mais uma vez, cuidando e provendo todas as coisas. Ele foi transferido para um hospital público, onde foi realizada uma gastrostomia (procedimento para fixação de uma sonda alimentar) e assim fomos para casa e pudemos acabar o estudo bíblico, mesmo com todas as dificuldades, como as crises convulsivas, em que ele tinha que ser aspirado, mas o que aprendemos foi valioso, glorioso e poderoso nas nossas vidas. A partir daí, começamos a falar desse Deus Todo Poderoso nos consultórios da APAE e nos hospitais.

No dia 12 de abril de 2014, foi realizado o Encontro Sara e lá estávamos nós: eu, meu marido e nosso filho, Yudi, testemunhando o que Deus havia feito em nossas vidas. Vivemos um dia muito feliz. Duas semanas depois, o Senhor recolheu nosso filhinho. Ficamos tristes mas confortados pelo Senhor e vimos o seu poder na vida do Yudi nesse período de um ano e dez meses de vida, quando a medicina achava que não passaria de três meses.

Passados dois meses, Jorge conseguiu para mim um emprego em um trailer de lanches, ao lado do Hospital Estadual de Bauru. Comecei a conhecer mães que passam pelo mesmo problema que passei, só que elas não conheciam o Senhor Jesus. Então, eu dizia: “como Deus é bom, e como seu filho é lindo”. Elas olhavam com descaso para mim, até eu contar a minha história e falar que sabia o que elas estavam sentindo.

Comecei a visitar essas crianças, a levar para elas o amor de Deus e que Ele fez nas nossas vidas. Então, com meu testemunho, comecei a levar para elas uma palavra de amor, esperança e fé. Também falei do projeto SARA e do grupo que temos no Whatsapp. Como meu filho teve uma mãe de oração, senti que aquelas crianças e suas mães precisavam de alguém para ajudá-las em oração. Algumas mães têm ido à igreja testemunhar o que a oração do grupo SARA fez pela vida delas e dos filhos.

Amputação descartada
Entre elas, tem uma mãe que mora em outro estado e o seu filho sofreu um acidente com trator e ficou enterrado até a cintura na queimada da cana. Convidei-a para ir à igreja, inicialmente ela recusou, mas acabou indo. Chegando lá, não queria entrar, mas eu peguei delicadamente no seu braço e disse: “Deus te chama.”

Na hora da oração, levei-a à frente e disse a ela que Deus iria falar com ela.o Espírito Santo visitou aquela mãe, ela chorou muito, se derramou aos pés do Senhor. Dias depois ela testemunhou que seu filho que estava todo enfaixado sem poder mover-se, mas de repente, quis levantar da cama! Ela ficou apavorada, chamou a enfermeira, que disse que ele não poderia. Mas estava passando um medico bem nessa hora, e ele ordenou ao rapaz: “Ande!” O rapaz deu uns quatro passos e voltou para cama andando! O médico então disse que, no prontuário dele estava marcada cirurgia para o dia seguinte, na qual ele amputaria as pernas e o órgão genital, mas diante do que ele viu, não era mais necessário! Aquela mãe chorou muito, agradecida a Deus e lembrando da Palavra do Senhor no sábado anterior. Os órgãos foram enxertados e tudo voltou a funcionar, em um milagre! Nosso Deus é o Deus do impossível! Eles ficaram mais um mês no hospital e essa mãe decidiu servir a Deus e para sua glória, retornaram bem para casa.

Continuo trabalhando, visitando, orando e levando a Palavra aos que necessitam e Deus tem operado milagres. No último encontro SARA, realizado aqui em Bauru (SP), entre muitos testemunhos, uma mãe chamada Ana Paula esteve testemunhando do milagre na vida de seu filho Pietro que sofreu queimaduras em quase todo o corpo, num acidente que sofreu devido a uma explosão de uma churrasqueira. Ele passou por várias cirurgias, mas Deus tem abençoado. No dia 14 de janeiro último, estivemos em Itatiba (SP), num culto de agradecimento a Deus pelo aniversário do Pietro e pelo milagre de Deus na vida dele e da família. Alem desses milagres, há muitos outros que nosso Deus tem operado, mas o maior de todos, é a salvação.

Josiane Maria da Silva congrega na IAP em Jardim Eldorado (Bauru, SP).

Fonte: www.fesofap.com.br

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: