Cristocêntricos, sempre!

O maior erro de um sermão não está na estrutura mas na falta de referência clara à pessoa e obra de Cristo

“E começando por Moisés e todos os profetas, explicou-lhes o que constava a respeito dele em todas as Escrituras. ” (Lucas 24.27)

O contexto mostra que Jesus havia ressuscitado e dois discípulos caminhavam tristes, da cidade de Jerusalém para a aldeia de Emaús. A razão era por não compreenderem e experimentarem ainda, a alegria da Ressurreição do nosso Senhor. (Lc 24.13-17). Foi quando Jesus aproximou-se deles e, após ouvi-los, ministrou-lhes sobre a importância da Sua morte e ressurreição, baseando-se nos escritos de Moisés, o Pentateuco, em todos os profetas e em todas as demais Escrituras, possível referência aos Livros Históricos e Salmos.
A Bíblia, apesar de ter sido escrita por mais de 40 escritores, de posições sociais diferentes; de estarem separados por mais de 1.500 anos entre Moisés, o primeiro e João, o último; de ter sido escrita originalmente em três idiomas – o hebraico, o aramaico e o grego, em três continentes – África, Ásia e Europa; de possuir internamente 66 livros, mas, por milagre de Deus, é inerrante, possuindo apenas um enredo principal, uma única história prevalecente, uma árvore de apenas um caule, um único rio transbordante de graça, que é Jesus, o Cristo. Toda linguagem tipológica das Escrituras Sagradas culmina no Filho de Deus.
Por isso, nossos ensinos e pregações não podem fugir deste padrão. Para sermos, de fato, um povo “evangélico”, não devemos deixar de pregar os detalhes do “Evangelho”, que é a Humanização, os Ensinos, a Morte, a Ressurreição, a Ascensão e Segunda Vinda de Cristo. O que jamais conseguiríamos por nós mesmos, Cristo fez por nós, o qual aceitamos pela fé e nos é doado gratuitamente, sem merecimento da nossa parte.
O exemplo do próprio Cristo, ao aquecer o coração dos dois discípulos na estrada de Emaús, foi embasar a Si próprio nas Escrituras. E mesmo antes da cruz afirmou: “Vocês estudam cuidadosamente as Escrituras, porque pensam que nelas vocês têm a vida eterna. E são as Escrituras que testemunham a meu respeito. ” (Jo 5.39).
Nossas mensagens não devem ser apenas bíblicas, mas Cristocêntricas, ou seja, Cristo no centro. Por exemplo: Se pregarmos sobre Davi, no episódio em que derrotou o gigante Golias (1 Sm 17) estaremos sendo bíblicos, mas temos que ter o cuidado de não pregarmos apenas algumas partes com conteúdo de autoajuda. Ou ainda, Davi, um jovem que apenas mata um gigante, fazendo dele um herói. Porém, se conectarmos esta história à espinha dorsal de todo panorama bíblico que é Jesus, estaremos pregando o Evangelho. Os Filisteus estavam oprimindo a nação de Israel. O gigante Golias estava desafiando as tropas Israelitas. E, não havia alguém capaz de lutar com ele. Até que veio Davi, que não aceitou as armaduras de Saul, que foi no poder do Espírito de Deus e em nome do Senhor dos Exércitos, e com apenas uma pedra o derrotou. Satanás e os pecados também atacam, oprimem, roubam a paz, e não apenas de uma nação, mas de toda a humanidade. E não há nenhum ser humano capaz de derrotá-lo, pois todos pecaram (Rm 3.23).
Até que veio Jesus, o “Filho de Davi”, que viveu humildemente entre nós, em completa santidade, que não aceitou armadura ou ajuda externa, e venceu todas as forças do mal, todo pecado, escravidão e temor. E não com uma pedra, porém, pelo Seu sangue na cruz: “Quando vocês estavam mortos em pecados e na incircuncisão da sua carne, Deus os vivificou juntamente com Cristo. Ele nos perdoou todas as transgressões; e, tendo despojado os poderes e as autoridades, fez deles um espetáculo público, triunfando sobre eles na cruz. ” Cl 2.13 e 15 e ainda: “quanto mais, então, o sangue de Cristo, que pelo Espírito eterno se ofereceu de forma imaculada a Deus, purificará a nossa consciência de atos que levam à morte, de modo que sirvamos ao Deus vivo! ” – Hb 9.14. Quando fazemos isso, pregamos o Evangelho. Cristo é glorificado.
O maior erro homilético não são as divisões de um sermão, as frases de transição, as concordâncias e palavras pronunciadas de forma errada, mas, a falta de referência clara à Pessoa e Obra de Cristo. Jesus é o alvo de todo o universo e de toda a história e deve ser de nossos ensinos e sermões. O que mais as pessoas precisam é de Cristo. A maior missão da Igreja é falar incansavelmente da cruz do nosso Senhor. Quando o fazemos, acertamos porque pregamos o Evangelho. Quando omitimos, erramos. Não esqueçamos jamais que Jesus Cristo é o nosso tudo.

Pr. Elias Alves Ferreira congrega na IAP em Boqueirão (Curitiba – PR) e integra a equipe do Ministério de Vida Pastoral – Convenção Geral.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.