Dicas da Lição 10 – “A vontade do Filho do Homem”

Dicas da Lição 10 – “A vontade do Filho do Homem”

A vontade do Filho do Homem

  • Clique AQUI para acessar os slides da lição.
  • Para ouvir o podcast desta lição, clique AQUI.

Dicas

Para a introdução da lição, distribua uma folha de papel para cada um de seus alunos e peça que eles respondam à seguinte pergunta: “Para você, o que significa fazer a vontade de Deus?” A partir da resposta de cada um deles, relacione com a proposta bíblica de fazer a vontade de Deus e como ela deve impactar a nossa vida.

Para incentivar a reflexão do aluno, realize essa dinâmica que tem como objetivo reforçar a relação que existe entre cumprir a vontade de Deus e como essa atitude transforma a nossa vida. O material necessário para essa dinâmica é: 01 porção de milho de pipoca, 01 porção de pipoca, alguns piruás (grãos que não estouraram), 01 porção de óleo, 01 panela.

Apresente para os alunos uma porção de milho de pipoca e outra de pipoca. Pergunte a eles: vocês sabem o que ocorre com o milho para que ele se transforme em pipoca? Aguarde as respostas dos alunos. Provavelmente eles vão mencionar que depois de colocar o milho numa panela com óleo e com ação do fogo os grãos vão estourar (Se você quiser, simule colocando o óleo e o milho de pipoca na panela).

Relacione a resposta da sala com a transformação de nossa vida que acontece quando fazemos a vontade de Deus. A pipoca dentro da sua casca dura, fechada em si mesma, não pode imaginar um destino diferente para si e nem pensar na mudança que está sendo preparada para ela. O milho vai passar por uma grande mudança! De repente, sem aviso prévio, dentro da panela, a grande transformação acontece: o milho aparece como outra coisa completamente diferente – a pipoca! Este processo de transformação do grão duro em pipoca macia pode ser comparado ao estado de mudança que ocorre na vida de quem foi alcançado pela salvação e cumpre a vontade de Deus. Tal pessoa foi liberta da casca dura do pecado que a aprisionava, para viver conforme a vontade de Deus, com ações e pensamentos transformados pelo Espírito Santo. No entanto, ainda temos o piruá, que é o milho de pipoca que não estoura. Ele representa aquelas pessoas que não cumprem a vontade de Deus, e que por isso, não são transformadas pelo Senhor. O final delas certamente será trágico e triste. Fiquemos atentos: a proposta de Deus para cada um de nós é que cumpramos a sua vontade e consequentemente, tenhamos nossos pensamentos, palavras e atitudes transformadas pelo Espírito Santo! Para finalizar a dinâmica, peça que um (ou mais) de seus alunos testemunhem as mudanças que o Senhor Jesus tem feito em suas vidas, a partir do momento em que eles decidiram cumprir verdadeiramente a vontade de Deus.

Para encerrar a lição utilize o vídeo que está disponível em https://www.youtube.com/watch?v=SZ03riwdKRI&list=PL40486DB979E7FEF8&index=51. Este vídeo vai mencionar (de uma forma leve e bem –humorada) sobre a mudança de vida que acontece na vida de todos aqueles que servem a Deus e cumprem a sua vontade. É interessante você, professor, refletir com seus alunos que tal mudança deve ser observada no dia-a-dia, por meio de nossas atitudes cotidianas.

 

Comentários adicionais

Item da lição: “Virtudes esperadas”
1. Diante dos escândalos:
“Que o perdão das ofensas é um grande dever, e que cada um de nós deve ter consciência disto ([Lc 17] v.3): ‘olhai por vós mesmos’. Isto pode se referir ao que vem antes, ou ao que se segue: Tomem cuidado para não dizer ou fazer qualquer coisa que possa ser um desencorajamento, ou para enfraquecer os cristãos.” (Henry, Mattew. Comentário bíblico: Mateus a João. Tradução: Degmar Ribas júnior. Rio de Janeiro: CPAD, p.672).
2. Fé para perdoar:
“Alguns pensam que eles fizeram esta súplica a Cristo por ocasião da imposição do dever de perdoar as ofensas [posição da lição] (…). A fé na misericórdia perdoadora de Deus nos capacitará a superar as maiores dificuldades que se encontrarem no caminho do perdão aos nossos irmãos.” (Idem).
3. Servos dispensáveis:
“Em resumo: a idéia básica desta parábola é que todo recurso, toda confiança e todo apoio na realização própria são condenados. Tudo é pura graça. O juízo de Jesus sobre a obra do servo de Cristo aniquila plena e cabalmente o farisaísmo, apagando de maneira radical qualquer pensamento meritório por parte do ser humano e qualquer compromisso e obrigação de Deus perante o ser humano.” (Rienecker, Fritz. Evangelho de Lucas: comentário Esperança. Tradução: Werner Fuchs. Curitiba: Esperança, 2005, p.354).

Item da lição: “Atitudes esperadas”
4. Como criança:
“Todos os santos de Deus devem esforçar-se para viver ‘como uma criança’. A sua fé simples, sua dependência dos outros, sua indiferença às riquezas do mundo, sua despreocupação para com as coisas do mundo, sua comparativa humildade, seu caráter inofensivo e sua falta de malícia são aspectos que fornecem aos crentes excelentes exemplos.” (Ryle, J. C. Meditações no Evangelho de Lucas. São Paulo: Fiel, 2002, pp.293-294).

5. Cenário da parábola:
“Não restam dúvidas de que Jesus tenha apresentado essa parábola [fariseu e publicano] durante a marcha para Jerusalém. O fato de que muitos peregrinos seguiam para a festa no templo deve ter dado ensejo a que Jesus descrevesse duas pessoas que subiram ao templo para orar ali.” (Rienecker, Fritz. Evangelho de Lucas: comentário Esperança. Tradução: Werner Fuchs. Curitiba: Esperança, 2005, p.369).

%d blogueiros gostam disto: