Dicas da lição 10 – “Tempo de descanso”

Tempo de descanso

  • Para ouvir o podcast desta lição, clique AQUI.

 

Dicas

Dinâmica: Faça a dinâmica “Falando sem falar”, no item 1, “A discórdia no descanso”.
Objetivos: Mostrar a necessidade de apurar os fatos sobre alguma informação que possa trazer qualquer tipo de impacto social antes de formarmos nossa própria opinião.
Tempo: 10minutos.
Preparação prévia: Ter uma história ou uma frase em mãos; simples, curta, porém rica em detalhes. Mais abaixo daremos alguns modelos de histórias ou frases.
Desenvolvimento:
• Escolha, aleatoriamente, entre 5 (cinco) a 8 (oito) participantes da aula.
• Peça para o(a) secretário(a) da escola bíblica os conduzirem para fora do ambiente da aula de modo que eles não ouçam, de forma alguma, o que está sendo falado por você dentro da sala de aula ou da igreja. O(a) secretário(a) deve deixá-los nesse lugar escolhido e voltar imediatamente ao ambiente da aula aguardando a próxima instrução do professor.
• Com esses participantes escolhidos já fora do alcance da sua voz, chame outro voluntário, dentre os que ficaram no ambiente da aula, e conte a sua história (escolhida previamente) para ele de modo que todos os demais alunos a ouça também.
• Terminada a narração da sua história, oriente esse voluntário a contá-la ao primeiro, daqueles que saíram, porém, sem emitir um som pela boca, apenas por meio de gestos (mímica).
• Peça para o(a) secretário(a) ir ao local onde estão os voluntários longe do alcance da sua voz e diga para eles ficarem em fila na porta de entrada do local onde está sendo ministrada a aula, mas de modo que eles não vejam o que está acontecendo dentro da sala.
• Um a um deve ser conduzido para dentro do local da aula ao comando do(a) secretário(a) sempre que a história chegar ao fim por cada um dos participantes. O primeiro participante, aquele que ouviu a história, deve contá-la ao primeiro que entrar na sala e esse que “viu” a narração da história deverá contá-la ao próximo participante, igualmente sem emitir som pela boca, somente através de gestos. E assim sucessivamente.
O último participante, após “ver” a narração da história, deverá contá-la a todos, em alto em bom som, segundo o seu entendimento.
Conclusão: É de se esperar que a história contada pelo último participante não terá nenhuma semelhança com a história contada por você inicialmente. Diante dessa constatação, comente que essa dinâmica provocou risos, mas que um ato mal interpretado em Canaã provocou uma grave crise quase levando a uma guerra entre as tribos de Israel (Jos. 22: 10-12). Comente que temos a responsabilidade de sermos prudente nos nossos atos e palavras a fim de evitarmos desgastes desnecessários nos nossos relacionamentos (I Cor. 8: 9-13). Também comente que aquilo que vemos ou ouvimos, embora tenha fortes indícios de ser a expressão da verdade, podemos estar enganados e, assim, estaremos disseminando boatos (Ex. 23: 1, 2; Prov. 6: 16-19).

Modelos de história:
• “Após rodear a cidade sete vezes, Josué mandou tocar as trombetas, todos gritaram e os muros caíram.”
• “Pedro cortou a orelha do soldado. Jesus lhe disse: ‘Quem com ferro fere, com ferro será ferido.’”
“O pastor (diga o nome do seu pastor) não sabe tocar violão, mas ele gosta de pregar a palavra de Deus.”

Testemunho: Durante a exposição do assunto do item 2, “A memória no descanso”, pergunte se alguém na classe se lembra de um livramento que Deus lhe deu há, pelo menos, 10 (dez) anos (vá reduzindo esse tempo caso perceba que ninguém se manifesta). Havendo alguém, escolha um deles e lhe dê 2 (dois) minutos para ele contar à classe seu testemunho de livramento. Findo o testemunho, explique à classe como aquelas palavras são significativas, especialmente nesse dia de sábado (considerando que a aula esteja acontecendo no sábado, é claro!). Comente que o sábado é um dia de descanso e, também, o dia especial para glorificarmos a Deus através de testemunhos expressados na comunidade dos crentes.

Imagem: Durante a exposição do assunto do item 4, “A ameaça no descanso”, mostre a imagem que ilustra o “jugo desigual”. Acesse o link: https://goo.gl/NZHgM1: baixe a imagem e a projete na tela do Datashow (caso haja esse recurso na sala) ou imprima-o e distribua cópias aos alunos. Peça-os para abrirem a lição na página 73 e diga-lhes que o que o que Josué está tentando evitar com sua advertência é, exatamente, o que eles estão vendo na imagem. Instigue a classe perguntando se alguém sabe o que é e o que significa a imagem.

CUIDADO! Ao falar sobre esse assunto, não caia na armadilha de censurar apenas namoros ou casamentos entre pessoas que seguem princípios religiosos diferentes. Seja habilidoso ao afirmar que a lição apresenta as consequências aos que se relacionam com pessoas que, claramente, o influencia a desobedecer a Deus.

Material de apoio: Use os comentários adicionais, disponíveis no espaço abaixo, para complementar a aula.

Comentários Adicionais

    1. Um altar em tempos de paz
      “Eles [os gaditas e a meia tribo de Manassés] então explicaram que levantaram aquele altar como um monumento. […] A intenção daquelas tribos era enfatizar que os povos de ambos os lados do Jordão adoravam um único Deus. Todos os povos saberiam então da unidade religiosa das tribos do leste e do oeste”. (MULDER, O. Chester (et al). Comentário Bíblico Beacon. Vol. 2. Josué a Ester. 3ª ed. Tradução de Emirson Justino e Degmar Ribas Júnior. Rio de Janeiro: CPAD, 2009, p. 74).
    2. Quem deu paz a Israel?
      “Desde o dia em que Israel deixou o Egito, o Senhor lutou por seu povo e os livrou de seus inimigos. Afogou o exército egípcio no mar e derrotou os amalequitas que atacaram os israelitas logo depois que saíram do Egito (Êx 17). O Senhor derrotou todos os inimigos de Israel, enquanto a nação marchava em direção a Canaã e deu a seu povo a vitória sobre as nações da Terra Prometida” (WIERSBE, Warren W. Comentário Bíblico Expositivo: Antigo Testamento. Vol. 2. Histórico. Tradução de Susana E. Klassen. Santo André, SP: Geográfica editora, 2006, p. 78).
    3. Relacionamento impróprio
      “O mais importante era que Israel permanecesse um povo separado e que não fosse infectado pela perversidade das nações gentias a seu redor (Js 23:7, 8; ver Êx 34:10-17; Dt 7:2-4). Josué advertiu os de que sua desobediência seria gradual. Primeiro, se relacionariam amigavelmente com essas nações; depois, começariam a discutir suas práticas religiosas e, logo, Israel estaria adorando falsos deuses do inimigo derrotado!”. (WIERSBE, Warren W. Comentário Bíblico Expositivo: Antigo Testamento. Vol. 2. Histórico. Tradução de Susana E. Klassen. Santo André, SP: Geográfica editora, 2006, p. 79).
    4. É preciso advertir
      “Moisés havia advertido Israel contra fazer concessões às nações perversas na terra (Êx 23:20-33; 34:10-17; Dt 7:12-26), e Josué reformou essa advertência (Js 23:13). Se Israel começasse a se misturar com essas nações, aconteceriam duas coisas: (1) Deus removeria sua bênção e Israel seria derrotado; e (2) essas nações causariam sofrimento e ruína a Israel”. (WIERSBE, Warren W. Comentário Bíblico Expositivo: Antigo Testamento. Vol. 2. Histórico. Tradução de Susana E. Klassen. Santo André, SP: Geográfica editora, 2006, p. 79).
    5. Em quem se deve confiar?
      “Aquelas nações gentias eram inimigas de Israel, e o mesmo Deus que derrotou os inimigos no passado poderia ajudar seu povo a derrota-los no futuro. Deus jamais havia falhado com seu povo. […] Ao ler a Bíblia e ver o que Deus fez no passado pelos que creram nele, somos encorajados a crer nele no presente e a encarar nossos inimigos com coragem e confiança”. (WIERSBE, Warren W. Comentário Bíblico Expositivo: Antigo Testamento. Vol. 2. Histórico. Tradução de Susana E. Klassen. Santo André, SP: Geográfica editora, 2006, p. 78).