Dicas da lição 12 – “Enfim, livres do pecado!”

Enfim, livres do pecado!

  • Clique AQUI para acessar os slides da lição.
  • Para ouvir o podcast desta lição, clique AQUI.

 

Dicas

  • Dinâmica: Divida a turma em dois grupos, e peça que cada um deles destaque duas pessoas que representarão dois assuntos.
    Materiais: Procure enviar esta dinâmica durante a semana, para que seus alunos e alunas montem uma apresentação: slides, recortes de revistas, vídeos e etc.
    Desenvolvimento: O grupo 1, ficará com o “Mundo atual”. O representante deve junto a seu grupo destacar os malefícios deste mundo, como explicados na lição, mostrando o que o pecado causou, de maneira contextualizada. Vamos mostrar que: Humanos são corruptos; o mundo tem defeitos; a vida tem sofrimento; e os relacionamentos tem crise. Falarão o oposto dos tópicos da lição 12.
    O grupo 2, ficará com o “Mundo futuro”. A ideia é que o representante faça o contraponto do mundo atual. A ideia é mostrar como será essa nova ordem, após a vinda de Nosso Senhor, no céu por mil anos e depois a nova terra. Vão mostrar que: Humanos sem corrupção; o mundo sem defeitos; a vida sem sofrimento; e os relacionamentos sem crise. Com base nos tópicos do estudo 12.
    Os grupos deverão dividir as lições nas partes do “Mundo atual” e do “Mundo futuro”. Gaste cerca de 15 minutos. Depois professor (a), faça as considerações devidas daquilo que faltou e precisa ser dito.
  • Vídeo: Ao fim da lição exiba o vídeo deste link: https://www.youtube.com/watch?v=cUe9F_3twME. Nele, temos a narração de Apocalipse 21, quando é falado do novo e nova Terra. Termine falando do desafio da semana e de como devemos manter a esperança firme na segunda Volta de Cristo.
  • Desafio da semana: Mande para seus alunos e alunas pelo WhatsApp, redes sociais ou exiba em sala, o infográfico com o desafio da semana desta lição.

 

Comentários Adicionais

  1. Kabôd:
    “Para compreender a doutrina da glorificação, precisamos primeiro conhecer o significado do termo glória, que traduz algumas palavras bíblicas. Uma delas é kabôd. Refere-se a um atributo perceptível, uma exibição de individual esplendor, riqueza e pompa.” (ERICKSON, Millard J. Introdução à teologia sistemática. Tradução: Lucy Yamakami. São Paulo: Vida Nova, 1997, pp. 430-431).
  2. Doxa:
    “No Novo Testamento, a palavra grega doxa transmite o significado de brilho, esplendor, grandiosidade e fama. Aqui encontramos a glória atribuída a Jesus Cristo, exatamente era atribuída a Deus no Antigo Testamento. A segunda vinda de Cristo também deve ser ocasião para sua glória. Jesus mesmo deixou um quadro vivaz da natureza gloriosa de seu retorno: ‘Verão o Filho do Homem vindo sobre as nuvens do céu, com poder e muita glória’ (Mt 24.30).” (Ibidem, p.431).
  3. Silêncio da morte:
    “No novo céu e na nova terra não haverá luto nem morte ([Ap] 21:4). A morte vai morrer e nunca vai ressuscitar. Ela será lançada no lago de fogo. Ela não pode mais nos atingir. Fomos revestidos de imortalidade. No céu não há separação, acidente, morte, hospitais. Na Babilônia se calam as vozes da vida (18:22-23), mas na Nova Jerusalém se calam as vozes da morte (21:4)!” (LOPES, Hernandes Dias. Apocalipse/ O futuro chegou: as coisas que em breve devem acontecer. São Paulo: Hagnos, 2005, p.365).
  4. Povo unido:
    “[Lá não seremos denominações]. Seremos a igreja, a noiva, a cidade santa, a família de Deus, o povo de Deus. Jesus disse que o céu é a casa do Pai, o nosso lar (Jo 14:2), um lar com muitas moradas, um lugar de segurança, um lugar de descanso, um lugar de perfeito entendimento e amor, um lugar de permanência.” (Ibidem, p.368).
  5. Eterna felicidade:
    “Na nova terra, uma grande reversão acontecerá. Tudo o que foi amaldiçoado por causa do pecado de Adão será transformado. A maldição será substituída pela bênção! Consequentemente, a morte será substituída pela vida; a pestilência, pela saúde; a tristeza, pela alegria; a dor, pelo gozo; a miséria, pela abundância; a guerra, pela paz; e a desordem, pela ordem! A reversão será total, para que Deus seja glorificado em todos, e desfrutemos de uma existência docemente infindável!” (CAMPOS, Heber Carlos de. O habitat humano: o paraíso restaurado: parte 2. São Paulo: Hagnos, 2015, p.101).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.