Dicas da lição 12 – “O Mestre e o dinheiro”

Dicas da lição 12 – “O Mestre e o dinheiro”

O Mestre e o dinheiro

  • Clique AQUI para acessar os slides da lição.
  • Para ouvir o podcast desta lição, clique AQUI.

Dicas

  1. Dinâmica 1: Para o início da lição, divida sua classe em duplas e distribua uma folha de papel para cada uma delas. A seguir, peça que cada dupla responda à seguinte pergunta: “Como foi que Jesus lidou com o dinheiro ao longo de seu ministério?”, escrevendo sua resposta na folha de sulfite. Dê a oportunidade para que eles debatam sobre as respostas e relacione com o primeiro tópico da lição deste sábado: de que maneira Jesus lidou com o dinheiro e o que isso nos ensina como cristãos.
  2. Vídeo: Para finalizar o primeiro tópico da lição, peça que seus alunos assistam o seguinte vídeo, disponível no youtube: https://www.youtube.com/watch?v=Fr39KOqZXUQ, que vai refletir sobre a pergunta: “Jesus era rico?”. Depois de assistirem, diga para seus alunos que debatam sobre o que refletiram e aprenderam a respeito da maneira como Jesus viveu. Peça também para que eles compartilhem como o que aprenderam pode modificar, o estilo de vida de cada um.
  3. Dinâmica 2: Para finalizar a lição, faça a seguinte dinâmica: Leve vários panfletos ou tabloides de propaganda de grandes lojas de departamentos para os alunos. Distribua 01 tabloide ou panfleto para cada aluno. Peça que eles olhem o tabloide, anotem os valores dos objetos que querem comprar e depois, façam a soma de todos estes objetos. Depois disso, pergunte para a sua sala: o que vocês fariam para adquirir estes objetos? Permita que eles respondam, compartilhando as respostas entre eles. A seguir, realizem uma série de questionamentos para a reflexão da sala, como por exemplo: Há verdadeira necessidade de comprar todos os objetos? Eles são prioritários? São realmente necessários? Vale a pena comprar os objetos porque estão em promoção, mesmo não tendo condições de comprar? Ou mesmo que eu não precise desses objetos em promoção? As condições de pagamento: comprar parcelado ou no cartão, comprometem o orçamento doméstico? Qual é a minha verdadeira motivação para efetuar estas compras? Em seguida, escolha 02 alunos: um que teve cuidado com as compras e o outro que se excedeu, e questionem sobre a escolha dos produtos e condições de pagamento. Finalize a dinâmica, refletindo sobre a forma que Jesus lidou com o dinheiro e a nossa própria forma de lidar com o dinheiro numa sociedade cada vez mais consumista.
  4. Conclusão: No Desafio da Semana, incentive seus alunos a observarem e avaliarem a forma com que eles lidam com o dinheiro. Se for preciso, eles podem analisar o próprio orçamento doméstico para refletirem nesta questão. A partir desta análise, desafie seus alunos a lidarem com o dinheiro da mesma forma que o nosso Mestre Jesus!

Comentários Adicionais

  1. Nascido em pobreza:
    “A história do nascimento de Cristo é contada com extrema simplicidade no evangelho de Lucas: a obediência de Maria, a humilhação da manjedoura, a fidelidade de Simeão e Ana. Não cansamos de nos admirar com o fato de Deus haver escolhido a modesta localidade de Belém e designado simples pastores para a cerimônia do nascimento real. Talvez na maneira pela qual enviou seu Filho primogênito a este mundo, Deus esteja nos ensinando algo fundamental a respeito da natureza da vida do evangelho.” (RICHARD, Foster. A liberdade da simplicidade. Tradução: Judson Canto. São Paulo: Vida, 2008, p.65).
  2. Sem berço esplêndido:
    “Ele foi deitado numa manjedoura; o lugar onde o gado é alimentado. Por não haver lugar na estalagem, e por falta de alojamento, não por falta do indispensável, por alojamento, Ele foi colocado em uma manjedoura, em vez de num berço.” (HENRY, Mattew. Comentário bíblico: Mateus a João. Tradução de Degmar Ribas júnior. Rio de Janeiro: CPAD, 2008, p.528).
  3. Ensino de simplicidade:
    “Essa terna compaixão pelos desamparados pode ser notada mais uma vez quando Cristo ensina que o anfitrião, ao oferecer um banquete, deve convidar ‘os pobre, os aleijados, os mancos, e os cegos’ (Lucas 14.12-14). O propósito ao convidar essas classes de pessoas, naturalmente, não é dar-lhes destaque social, e sim ajudá-las em suas necessidades. (Ibidem, p.67).
  4. Estilo de simplicidade:
    “O que significa estilo para as pessoas de posses desenvolver um estilo de vida simples? As Escrituras não estabelecem nenhum padrão absoluto. De um lado, não encorajam um asceticismo negativo e austero, pois não só não proíbem a posse de propriedade privada, como nos ordenam a desfrutar com gratidão as boas dádivas que nosso Criador nos concedeu. De outro, deixam explícito que alguma medida de igualdade é mais agradável a Deus que a disparidade; e seu apelo para que os cristãos sejam generosos fundamenta-se na graça de nosso Senhor Jesus Cristo, porque graça significa generosidade (2Co 8.8-15).” (DUDLEY, Timothy. Cristianismo autêntico: 968 textos selecionados das obras de John Stott. Tradução: Lena Aranha. São Paulo: Vida, 2006, p.325).
  5. Bons samaritanos:
    “Não precisamos, no entanto, viajar para fora do Brasil para descobrir exemplos de compaixão motivada por um dom sobrenatural de misericórdia. Semelhantes heróis gastam suas forças para resgatar drogados, prostitutas, meninos de rua e para distribuir sopa aos mendigos.” (SHEDD, Russell P. A felicidade segundo Jesus. São Paulo: Vida nova, 1993, p.81).