Dicas da lição 13 – “A missão foi realizada”

A missão foi realizada

  • Para ouvir o podcast desta lição, clique AQUI.
  • Para baixar os slides desta lição, clique AQUI.

 

Dicas

Recapitulação: Ao abordar a introdução, faça uma recapitulação dos doze primeiros estudos da série e sugira aos alunos que expressem o que mais lhes chamou a atenção em cada um desses estudos.

Dinâmica: Distribua caneta e papel para os alunos e peça-lhes para escreverem o que imaginam ser um mundo renovado e sem pecado. Para que eles tenham uma base, você pode sugerir que respondam às perguntas: “No mundo sem pecado haverá engano?”; “no mundo sem pecado haverá políticos corruptos?”; “no mundo sem pecado haverá tragédias?”. Depois que todos responderem, enfatize que as bênçãos advindas da promessa de Jesus acerca do mundo renovado e sem pecado, se realizarão e, que, enquanto isso, devemos cumprir nossa missão de proclamar o evangelho.

Intercessão: Após o término da lição, sugira que cada aluno, de posse do que escreveu como parte da dinâmica anteriormente mencionada, ore em favor de alguns povos para que sejam alcançados pelo evangelho e sejam parte do reino futuro. Escreva previamente os nomes de alguns países em pedaços de papel e os distribua entre os alunos.

Material de apoio 1: Use os comentários adicionais, disponíveis no espaço abaixo, para complementar a sua aula. Para ouvir o podcast desta lição, acesse: http://portaliap.org/wp-content/uploads/2018/05/LB324_13.mp3; Utilize os slides desta lição disponíveis em: http://portaliap.org/licoes-biblicas-324/

Material de apoio 2: A Junta de Missões sempre disponibiliza a Lição Bíblica em libras. Informe seus alunos sobre este importante trabalho. Veja: https://www.youtube.com/channel/UCSajxLcXf10Zmvnz3wv7qag

Comentários Adicionais

  1. Multidões salvas como fruto da missão
    “No livro de Apocalipse, há outra referência à promessa de Deus a Abraão (7.9ss). João vê numa visão uma ‘grande multidão que ninguém podia enumerar’. É uma multidão internacional, vinda ‘de todas as nações, tribos, povos e línguas’. Ela está ‘em pé diante do trono’, o símbolo do Reino de Deus. Isto é, seu Reino chegou finalmente, e a multidão está desfrutando todas as bênçãos de seu afável governo. Ela está abrigada em sua presença. Seus dias de fome, sede e calor no deserto se acabaram. Finalmente, ela entrou na terra prometida, descrita agora não como ‘uma terra que mana leite e mel’, mas como uma terra irrigada com fontes de ‘água viva’, que jamais secarão. Mas como a multidão herdou essas bênçãos? Em parte, porque veio ‘da grande tribulação’ (evidentemente uma referência à vida cristã com todas as suas provações e sofrimentos), mas principalmente porque ‘lavaram suas vestiduras e as alvejaram no sangue do Cordeiro’, isto é, foram purificados do pecado e vestidos de justiça pelos méritos da morte de Jesus Cristo, ‘razão por que se acham diante do trono de Deus’”. (Perspectivas no movimento cristão mundial. Editado por Ralph D. Winter, Steven C. Hawthorne, Kevin D. Bradford; — São Paulo: Vida Nova, 2009, pp. 38,39).
  2. O Apocalipse mostra o resultado final da missão
    “É comovente vislumbrar na eternidade futura o cumprimento final dessa antiga promessa de Deus a Abraão. Todos os elementos essenciais da promessa podem ser identificados. Aí estão os descendentes espirituais de Abraão, uma ‘grande multidão que ninguém podia enumerar’, incontáveis como os grãos de areia da praia e as estrelas do céu. Estão aí também ‘todas as famílias da terra’ sendo abençoadas, pois a multidão inumerável é composta de pessoas de todas as nações. Aí está ainda a terra prometida, a saber, todas as ricas bênçãos que fluem do governo cheio da graça de Deus. E, acima de tudo, está Jesus Cristo, a semente de Abraão, que derramou seu sangue por nossa redenção e concede suas bênçãos a todos os que o invocam para serem salvos”. (Perspectivas no movimento cristão mundial. Editado por Ralph D. Winter, Steven C. Hawthorne, Kevin D. Bradford; — São Paulo: Vida Nova, 2009, p. 39).
  3. Um olhar para a eternidade
    “O apóstolo João, quando lhe foi dada a chance de dar uma espiadinha pela ‘porta aberta no céu’, viu uma grande multidão em pé diante do trono de Deus. Todos estavam vestidos com vestes brancas (o símbolo da justiça), seguravam palmas nas mãos (o símbolo da vitória) e juntavam-se a um poderoso coro de adoração, atribuindo a sua salvação a Deus e ao Cordeiro. João descreve também essa grande multidão como vindo ‘de todas as nações, tribos, povos e línguas’. Portanto, a missão da igreja não será em vão. Pelo contrário, resultará em um enorme ajuntamento de pessoas, uma multidão multi-racial e multinacional, cujas diferentes línguas e culturas, ao invés de impedir, irão enriquecer sua incessante celebração da graça de Deus. A multidão redimida será também incontável. Somente então a antiga promessa de Deus a Abraão se cumprirá totalmente. Para enfatizar que não haveria limites para o número de descendentes de Abraão, tanto física (os judeus) como espiritualmente (os crentes, quer judeus ou gentios), Deus prometeu que eles seriam mais numerosos do que o pó da terra, as estrelas do céu e a areia na praia do mar. Cada uma destas metáforas simboliza incontabilidade”. (Stott, John. Ouça o Espírito, ouça o mundo. Tradução de Silêda Silva Steunargel. São Paulo: ABU, 2005, pp.147).
  4. O Apocalipse é o clímax da missão
    “‘Farei a tua descendência como o pó da terra; de maneira que se alguém puder contar o pó da terra, então se contará também a tua descendência’. ‘Olha para os céus e conta as estrelas, se é que o podes’. Com o conhecimento que nós temos acerca do universo, neste século XX, parece que as miríades de miríades de estrelas dos bilhões de galáxias realmente chegam a somar tanto quanto todos os grãos de areia e as partículas de pó do mundo todo. Mesmo que tenhamos que continuar sem saber como é que Deus vai conseguir fazer isso, entrementes nós podemos nos regozijar com o fato de que a obra missionária da igreja irá chegar a esse clímax, para honra e glória de Deus. Nós acabamos de ver, a partir deste breve panorama da Escritura, que o Deus do Antigo Testamento é um Deus missionário (ele chamou uma família a fim de abençoar todas as famílias da terra); que o Cristo dos Evangelhos é um Cristo missionário (ele comissionou a igreja para ir e fazer discípulos de todas as nações); que o Espírito Santo dos Atos dos Apóstolos é um Espírito missionário (ele impulsionou a igreja a fim de testemunhar); que a igreja das Epístolas é uma igreja missionária (uma comunidade mundial com uma vocação mundial); e que o clímax do Apocalipse será um clímax missionário (uma incontável multidão internacional). (Stott, John. Ouça o Espírito, ouça o mundo. Tradução de Silêda Silva Steunargel. São Paulo: ABU, 2005, pp.148).