Dicas da lição 13 – “Contrição sincera pelo pecado”

Contrição sincera pelo pecado

  • Clique AQUI para acessar os slides da lição.
  • Para ouvir o podcast desta lição, clique AQUI.

 

Dicas

  • Mini teatro: Utilize o texto do “exemplo na história”, para fazer uma mini peça, sobre o fato contado neste trecho da lição. Escolha alguns alunos e alunas, para protagonizarem a confissão pública contadas por Jhon MacArthur. Dedique cerca de 10 minutos para este momento.
  • Vídeo: Para o tópico 2, “Contrição através do ouvir a Palavra de Deus”, mostre a sua classe o vídeo “[A Importância da Palavra de Deus] – Sérgio Lima”. No vídeo, o pastor mostra como a Escritura tem um papel fundamental para o povo de Deus. Acesse o link aqui: https://www.youtube.com/watch?v=TQSgJStOM5Q. Duração do vídeo 5min41s. Enfatize que o tópico “Contrição através do praticas ações concretas” é uma cosequência de se ouvir as Escrituras.
  • Desafio da semana: Mande para seus alunos e alunas pelo WhatsApp, redes sociais ou exiba em sala, o infográfico com o desafio da semana desta lição.

 

Comentários Adicionais

    1. Abandono:
      “A falta de amor pela Escritura e pelo povo de Deus, a pouca disciplina na oração, os ídolos e pecados ocultos afastam o Espírito Santo da comunidade. Se queremos uma vida mais profunda com Deus, se desejamos marcar esse país, se ansiamos por um avivamento, precisamos tomar como exemplo a experiência solene do povo de Deus, deixando os pecados, pois são ofensivos ao Senhor todo-poderoso.” (FERREIRA, Franklin. Avivamento para a igreja: o papel do Espírito Santo e da oração na renovação da igreja. São Paulo: Vida Nova, 2015, p.120).
    2. A Lei para o dia a dia:
      “Mais uma vez, o livro da lei é básico para as atividades do dia [Ne 9]. Seus ensinos devem Ser tanto evocado quanto informado as três horas de adoração que se seguiram às três horas de leitura. À luz do capítulo anterior [Ne 8], podemos subentender que a leitura não era uma mera corrente de palavras, mas estava pontuada com comentários explicativos e aplicações e aplicações à situação presente.” (KIDNER, Derek. Esdras e Neemias: introdução e comentário. São Paulo: Vida Nova e Mundo Cristão, 1985, p.121).
    3. Conceituando contrição:
      “Num verdadeiro avivamento, há contrição total pelo Espírito Santo. Contrição é arrependimento, humilhação e confissão de pecados e males de todos os tipos, na presença do Senhor; é quebrantamento espiritual em nosso íntimo, acompanhado de profundo arrependimento de pecados. E tudo isso deve ser demonstrado também em nosso exterior, pela poderosa ação do Espírito Santo.” (GILBERTO, Antonio (ed.). et al. Teologia Sistemática Pentecostal. 2 ed. Rio de Janeiro: 2008, p.215).
    4. Quando vem o avivamento:
      “Quando o avivamento vier, de imediato se sentirá um intenso espírito de convicção. Condutas que sempre pareceram aceitáveis parecerão inacreditavelmente malignas. A falta de oração, a ignorância das Escrituras, os pecados de omissão e a ausência de boas obras não serão mais defendidos com uma miríade de desculpas, mas serão entregues diante ‘daquele com quem temos de tratar’.” (ROBERTS, Richard Owen. Avivamento: a ação extraordinária do Espírito Santo. Tradução: Vivian do Amaral Nunes. São Paulo: Shedd Publicações, 2015, p.26).
    5. Coração rasgado:
      “A ordem rasgai o vosso coração, e não as vossas vestes [Jl 2:13] é a maneira hebraica de dizer que a contrição interna é mais importante do que a manifestação externa de pesar que, por si, poderia ser apenas um ato desprovido de sinceridade ou integridade. Rasgai o coração significa ‘modificai toda vossa atitude’, com um resultado semelhante ao coração quebrantado e contrito de Salmos 51.17 ou ao coração circuncidado de Deuteronômio 10.16 e Jeremias 4.4.” (HUBBARD, David Allan. Joel e Amós: introdução e comentário. Tradução: Márcio Loureiro Redondo. São Paulo: Vida Nova, 1996, p.66).