Dicas da lição 13 – “Intensificação de dons e milagres”

Intensificação de dons e milagres

  • Para ouvir o podcast desta lição, clique AQUI.

 

Dicas

Dinâmica: Talento.
Materiais: Um copo e um balde.

Ao estudar o item 1: Intensificação dos dons, distribua, entre os alunos, o copo e o balde. Em seguida, pergunte-os: “Qual deles é o mais importante: o copo ou o balde?” Ouça as respostas e, em seguida, explique que, embora o balde seja maior que o copo e comporte mais água do que este, ele não é mais importante, pois o balde foi criado com um propósito e, o copo, com outro. Por exemplo, não bebemos água com um balde, mas não lavamos o chão de uma casa com o copo. Ambos são importantes.
Faça uma conexão com o assunto do item estudado lembrando que o Espírito Santo capacitou a igreja com dons para que, por meio destes ela fosse edificada. Todos nós recebemos do Espírito, dom ou dons de acordo com a vontade dele. Todos somos importantes nesse processo.

Testemunho pessoal: Ao estudar o item 2: Intensificação dos milagres, dê oportunidade para que, ao menos, duas pessoas dê um testemunho, de modo breve, sobre algum milagre realizado em sua vida pelo poder de Deus. Em seguida, enfatize que os milagres do Senhor não cessaram, mas continuam vigentes e evidentes na atualidade.

O desafio da oração: Após ler o desafio da semana, faça um momento de oração com a classe pedindo a Deus o avivamento por meio da intensificação de dons e milagres na igreja local.

Material de apoio: Use os comentários adicionais, disponíveis no espaço abaixo, para complementar a aula.

Comentários Adicionais

    1. Os milagres precisam ser acompanhados da pregação
      “O derramamento do Espírito [no dia de Pentecostes] prova que os milagres abrem portas para o evangelho, mas não são o próprio evangelho. O milagre em si não pôde transformar a multidão, mas a atraiu para ouvir a Palavra de Deus. Quando Pedro começou a pregar, o coração do povo começou a derreter”. (LOPES, Hernandes Dias. Atos: a ação do Espírito Santo na vida da igreja. São Paulo: Hagnos, 2012, p.59)
    2. Temor a Deus
      “[…] uma igreja cheia do Espírito teme a Deus e experimenta os seus milagres (2.43). Uma igreja cheia do Espírito é formada por um povo cheio de reverência. Ela tem compreensão da santidade de Deus. Ela se curva diante da majestade de Deus. Hoje as pessoas estão acostumadas com o sagrado. Há uma banalização do sagrado. Há saturação, comercialização e paganização das coisas de Deus. Quem conhece a santidade de Deus não brinca com as coisas de dele. A igreja de Jerusalém era reverente e também receptiva ao agir soberano de Deus. Tinha a agenda aberta para as soberanas intervenções do Senhor. Acreditava nos milagres de Deus”. (LOPES, Hernandes Dias. Atos: a ação do Espírito Santo na vida da igreja. São Paulo: Hagnos, 2012, p.68).
    3. Milagres na igreja primitiva
      “A manifestação extraordinária de Deus estava presente na vida da igreja: Atos 3 — 0 paralítico é curado; Atos 4.31 — O lugar onde a igreja ora, treme; Atos 5.12,15 — Muitos sinais e prodígios são efetuados; Atos 8.6 — Filipe realiza sinais em Samaria; Atos 9 — A conversão de Saulo é seguida da sua cura; Atos 12 — Pedro é libertado pelo anjo do Senhor; Atos 16.26 – Ocorre um terremoto em Filipos; Atos 19.11- Pelas mãos de Paulo, Deus fazia milagres; Atos 28.8,9 – Deus cura os enfermos de Malta pela oração de Paulo. Hoje há dois extremos na igreja: aqueles que negam os milagres e aqueles que os inventam”. (LOPES, Hernandes Dias. Atos: a ação do Espírito Santo na vida da igreja. São Paulo: Hagnos, 2012, p.69).
    4. Avivamento e o extraordinário
      ”… é preciso ressaltar que algumas vezes sinais extraordinários acompanham esse fenômeno [o avivamento], uma vez que Deus está operando com poder incomum naquele momento da história de seu povo. Por essa razão, podem acontecer curas extraordinárias, livramentos miraculosos, percepções inéditas da beleza e glória de Deus”. (FERREIRA, Franklin. Avivamento para a igreja: o papel do Espírito Santo e da oração na renovação da igreja. São Paulo: Vida Nova, 2015, p.119.)
    5. Sinais e prodígios
      “Coisas incomuns acompanham o que Deus realiza, e a Bíblia embasa isso em Romanos 15:17-20: ‘Portanto, tenho motivo para me gloriar em Cristo Jesus, nas coisas pertinentes a Deus; porque não ousarei falar de coisa alguma senão daquilo que Cristo tem feito por meu intermédio, para obediência dos gentios, em palavra e ação, pelo poder sinais e prodígios, no poder do Espírito Santo; de modo que […] desde Jerusalém e arredores, até o Ilírico, tenho proclamado plenamente o evangelho de Cristo […]’. O apóstolo pregou Cristo pela força de ‘sinais’ e ‘prodígios’, pelo ‘poder do Espírito Santo’. A Palavra de Deus, revelada na Sagrada Escritura, é acompanhada de poder autenticador, de sinais e prodígios operados pelo poder do Espírito Santo – e isso fica muito evidente em tempos de avivamento” (FERREIRA, Franklin. Avivamento para a igreja: o papel do Espírito Santo e da oração na renovação da igreja. São Paulo: Vida Nova, 2015, pp.119-120)