Dicas da Lição 2 – O Cristo glorificado

Dicas da Lição 2 – O Cristo glorificado

O CRISTO GLORIFICADO

Devoção: Professor lembre-se de dedicar uma parte do tempo para investir em sua vida devocional. É imprescindível que você ore a Deus, leia e estude a Bíblia Sagrada e interceda por seus alunos. Não se esqueça de pedir ao Espírito Santo para transformar a vida de cada um de sua classe também nos momentos em que a lição estiver sendo ministrada.

Slides: Acesse o link AQUI, faça o download dos slides e utilize-os para enriquecer ainda mais o estudo da lição.

Comentários adicionais: Nesta lição 2, temos os seguintes comentários:

  1. Descobrindo o Senhor: “O Senhor Jesus Cristo fala e é descrito em Sua glória e magnificência atuais (…). Começa dizendo que este livro é uma revelação, um desvendamento da coberta ou véu que ocultava algum monumento, a fim de que agora todo mundo possa ver a sua beleza, sua obra de arte, etc. por certo, neste livro, o objetivo é tornar conhecido algo que antes estava desconhecido ou oculto. O fato que se nota em primeiro lugar é que esta Revelação ou Apocalipse é de Jesus Cristo. Pertence a Ele, porquanto Deus deu-a a Ele. Também Lhe deu permissão ou encargo de torná-la conhecida dos Seus servos. A Revelação inclui descrições do próprio Senhor Jesus Cristo, muitas de Suas atividades nos eventos profetizados, e algumas palavras da Sua boca. É o Deus-Homem, a Divindade incorporada, que fala, age e recebe glória e adoração.” (Turner, Donald D. Exposição do Apocalipse. São Paulo: Imprensa Batista Regular, 1983, p.18).
  2. O “Filho do homem”: “Em sua visão da vinda do Reino de Deus, Daniel viu o próprio Deus sentado em seu trono, cercado de multidões de anjos que o serviam. ‘E eis que vinha com as nuvens do céu um como o Filho do homem, e dirigiu-se ao Ancião de dias’ (Dn 7:13). Mais tarde ‘Filho do homem’ se tornou uma expressão messiânica fixa para identificar o Salvador celestial; era o título preferido de Jesus para si mesmo e sua missão. A referência deste versículo indica diretamente para Daniel, identificando assim Jesus como o Rei celestial, ao mesmo tempo destacando que apesar de ser como homem ele não é somente homem; ele é sobrenatural.” (LADD, George Eldon. Apocalipse: introdução e comentário. Tradução de Hans Udo Fuchs. São Paulo: Vida Nova e Mundo Cristão, 1980, p.27).
  3. Do peito aos pés: “O apóstolo que se reclinara no peito de Jesus (Jo 13:23) prostrou-se aos pés do Senhor como se estivesse morto. Uma visão do Cristo exaltado não produz outra coisa senão grande reverência e temor (Dn 10:7-9). É preciso ter essa atitude de respeito hoje, quando tantos cristãos falam e agem com familiaridade indevida com Deus. A reação de João ilustra o que Paulo escreveu em 2 Coríntios 5:16: ‘se antes conhecemos a Cristo segundo a carne, já agora não o conhecemos deste modo’. João não estava mais ‘aconchegado’ junto ao coração do Senhor, relacionando-se com ele de forma que havia feito antes.” (WIERSBE, Warren W. Comentário Bíblico Expositivo: Novo Testamento 2. Santo André: Geográfica, 2006, p.725).
  4. Primeiro e Último: “O título ‘primeiro e último’ é derivado de Isaías 41.4; 44.6; 48.12, em que se refere a Deus como Criador de todas as coisas e soberano sobre a história. Bauckham (…) também afirma: ‘Deus precede todas as coisas, como aquele que as criou, e ele levará todas as coisas ao seu cumprimento escatológico. Ele é a origem e o alvo de toda a história. Ele tem a primeira palavra na criação e a última na nova criação’ (…). No contexto de Apocalipse 1.17,18, essa soberania estende-se agora a Cristo.” (OSBORNE, Grant R. Apocalipse: comentário exegético. Tradução: Robinson Malkomes e Tiago Abdalla T. Neto. São Paulo: Vida Nova, pp.104-105).

Desenhos: Nesta segunda lição sobre o livro do Apocalipse o professor poderá pedir aos alunos que gostam de desenhar que o auxiliem nesta atividade. Ou, se preferir, todos poderão participar. Neste caso, será necessário que cada “desenhista” tenha em mãos: uma folha de papel, lápis ou caneta. Funciona assim:

Logo após a introdução, antes ou durante a primeira parte da lição (O TEXTO BÍBLICO EXPLICADO), o professor irá descrever as imagens que fazem referência ao Cristo glorificado e os alunos munidos de papel e caneta irão (tentar) desenhar a descrição feita pelo professor da seguinte forma:

  1. Na parte superior da folha, desenhe apenas uma forma oval, onde faremos uma cabeça/rosto;
  2. No rosto, faça dois olhos como chamas de fogo;
  3. Agora, desenhe os cabelos (brancos);
  4. Faça uma boca e dela saindo uma voz como de muitas águas;
  5. Desenhe o rosto brilhante como o sol;
  6. Agora vamos desenhar o corpo coberto por um vestido que chega até os pés;
  7. Na altura do peito, desenhe um cinto de ouro;
  8. Para finalizar, faça os pés como latão reluzente.

Depois de finalizados os desenhos, estes poderão ser comparados e, obviamente, terão diferenças entre eles. E mais: acreditamos que muitos terão dificuldades em retratar a imagem descrita acima, mas a ideia é justamente mostrar a dificuldade em descrever (ou desenhar) algo que nunca se viu antes.

A proposta é que o professor utilize uma dessas ilustrações para explicar cada um dos elementos, atributos e o poder do Cristo glorificado na visão de João.

Vale lembrar que as imagens descritas por João são meramente ilustrativas. Seria impossível desenhar com perfeição a imagem de Cristo glorificado, assim como foi impossível para o apóstolo descrevê-lo com exatidão.

Antecedendo a segunda parte da lição (O TEXTO BÍBLICO APLICADO), o professor poderá fazer uma breve pausa (5 min.) na aula e convidar os seus alunos a entoarem um louvor que exalta o Cristo glorioso: Jesus! Sugerimos as canções “Quão grande é o meu Deus”, “Poderoso Deus”, “Ao único” ou outra conhecida pela igreja local. Este momento servirá para reforçar que Jesus é o Senhor da igreja. Ele é Deus onipotente e Deus onipresente!

Bom sábado! Boa aula!

%d blogueiros gostam disto: