Dicas da Lição 3 – “As credenciais do Filho do Homem”

Dicas da Lição 3 – “As credenciais do Filho do Homem”

As credenciais do Filho do Homem

  • Clique AQUI para acessar os slides da lição.
  • Para ouvir o podcast desta lição, clique AQUI.

 

Dicas

  1. Depoimentos: Para o itens 1 e 2, pergunte aos seus alunos: 1) “O que motivou o batismo deles? (um fator determinante)”, explicando a importância do arrependimento e fé no Senhor; 2) “Como foi o dia de seu batismo?”, explicando a diferença do porque Jesus foi batizado (sem arrependimento, mas para exemplo) e o que aconteceu no Batismo Dele (o significado).
  2. Linha do Tempo: Para o item 3 que fala sobre a genealogia, distribua entre seus alunos uma folha de papel (sulfite) e lápis ou caneta, pedindo que escrevam a genealogia de suas vidas: Seus avós, pais, irmãos e etc. Da mesma forma a genealogia de Jesus mostrada por Lucas, comprova a linhagem real e humana de Cristo. Peça a seus alunos que destaquem alguns nomes desta genealogia e explique quem eram.
  3. Vídeo: O Item 4 que fala sobre a tentação de Jesus. A ideia é ajudar a visualizarem o fato em que o Senhor saiu vitorioso: https://www.youtube.com/watch?v=He_NW78h8-Q.

 

Comentários adicionais

Item da lição: “Suas credenciais foram anunciadas por João”

1. Arrependimento e batismo:
“Ele percorria toda a circunvizinhança do Jordão parece significar que João viajava muito pelo vale do Jordão. Diferentemente de Mateus e Marcos, Lucas nada diz da aparência e dos hábitos dietéticos. Vai diretamente à mensagem dele. João conclamava as pessoas a se voltarem dos seus pecados. A aceitação do batismo conclama as pessoas a se voltarem dos seus pecados. A aceitação do batismo era um sinal que assim fizeram.” (MORRIS, Leon L. O Evangelho de Lucas. Tradução de Gordon Chown. São Paulo: Vida Nova e Mundo Cristão, 1983, p.91).

Item da lição: “Suas credenciais foram vistas em seu batismo”

2. Trindade no Batismo:
“Equipado e capacitado desse modo [com Espírito], ele [Jesus] estava em condições de levar a bom termo a dificílima tarefa que o Pai lhe havia confiado. Para salvar-nos do pecado, ele precisava ser puro. Para suportar o tormento, perdoar nossas iniquidades e ter paciência com nossas debilidades, ele necessitava de bondade, de misericórdia, de graça. Isso, também, ele possuía em medida abundante, e disse a seus seguidores que, pela graça e poder de Deus, obteriam e exerceriam esses mesmos dons (Mt 11.29, 30; 12.19; 21.4, 5; Lc 23.34).” (Hendrinksen, Willian. Comentário do Novo Testamento: Lucas. São Paulo: Cultura Cristã, 2003, vol. 1, p.300)

3. “Tu és meu Filho”:
“Sem dúvida, estas palavras solenes [Tu és meu Filho] contêm um profundo mistério. Todavia, há uma coisa que esta absolutamente clara, elas são uma declaração divina de que o Senhor Jesus Cristo é o Redentor prometido, Aquele que Deus prometeu mandar ao mundo desde o princípio, e de que, com sua encarnação, sacrifício e substituição, Deus Pai ficou plenamente satisfeito.” (Ryle, J. C. Meditações no Evangelho de Lucas. São Paulo: Fiel, 2002, p.55).

Item da lição: “Suas credenciais estão presentes em sua genealogia”

4. Redentor da humanidade:
“Para ser o Redentor da humanidade, Cristo tinha que ser necessariamente tão verdadeiro Filho do Homem quanto verdadeiro Filho de Deus. Nele era preciso que se manifestasse a união da divindade com a natureza humana em forma pessoal. Contudo, assim como ele era por um lado o Filho do Homem, sobretudo por intermédio do poder da unção do Espírito Santo, por outro lado ele era também o Filho de Deus, não apenas no sentido de sua descendência divina, eterna, direta do Pai, por ter vindo de lá, mas também em consequência de sua origem histórica de Adão, herdeiro da destinação humano-divina, expressa através da frase no v.38 [3]: Adão, que era (um filho) de Deus.” (Rienecker, Fritz. Evangelho de Lucas: comentário Esperança. Tradução: Werner Fuchs. Curitiba: Esperança, 2005, p.96).

Item da lição: “Suas credenciais foram vistas em suas tentações”

5. Tentações:
“O Diabo tentou o Filho do homem, mas também o Filho de Deus. Foi uma disputa entre Jesus, cheio do Espírito Santo, e o acusador dos homens. O Diabo tinha vencido, com Adão e Eva. Ele tinha esperanças de triunfar sobre Jesus [mas, ele perdeu para o Senhor!]. A história deste conflito é narrada em Mateus 4.1-11 e Lucas 4.1-13. Ele é mencionado em marcos 1.12-13.” (ROBERTSON, A. T. Comentário Lucas: à Luz do Novo Testamento Grego. Tradução: Luís Aron de Macedo. Rio de Janeiro: CPAD, p.80).

%d blogueiros gostam disto: