Dicas da lição 3 – “Exercício da Oração”

Dicas da lição 3 – “Exercício da Oração”

Exercício da Oração

  • Clique AQUI para acessar os slides da lição.
  • Para ouvir o podcast desta lição, clique AQUI.

 

Dicas

  • Tabela: Leve para sua classe, uma tabela de tempo, para que seus alunos e alunas, pensem sobre seu dia a dia e escolham o melhor horário de oração. Tente mostrar, como podem priorizar esse exercício. Se quiser, pode pedir para preencherem ali ou ainda no dia da aula em casa. Aplique esta dinâmica no item 1, a frequência da oração.
    Obs.: Você pode reforçar o Projeto 100 dias de oração, falando sobre a importância de participar e ainda pode desenvolver um período de oração, com dias pelos números de estudantes da sua classe, para que cada um se responsabilize por um dia de oração. Peça que orem para que sua classe cresça em todos os aspectos do ensino cristão.

    Dia Hora
    Domingo
    Segunda
    Terça
    Quarta
    Quinta
    Sexta
    Sábado
  • Dinâmica: Para o item 2, “o conteúdo de oração”, faça a seguinte dinâmica:
    Materiais: Bexigas, papel e caneta ou lápis e um marcador permanente (caneta marcadora de cd e etc.).
    Execução: Distribua as bexigas para cada aluno ou aluna. Dobre o sulfite em quatro partes e dê uma parte para cada um. Peça que no papel escrevam seu nome e um pedido de oração. Depois de feito isto, diga para colocarem dentro da bexiga, encherem e escreverem seus nomes nas mesmas (com a caneta permanente) devem ainda, e pé e jogaram os balões para cima. Se preferir, peça que repassam uns para os outros de mão a mão. A ideia é que ninguém fique com sua bexiga. Quando tiverem trocados todas as bexigas, fale para estourarem e depois o dever de orar pela pessoa e pedido da bexiga. (O tempo deve ser de 5 a 10 minutos).
  • Lição: Temos de nos dedicar a orar uns pelos outros, como nos mostra o item 2, falando que a intercessão é um importante conteúdo de nossa oração. Além do mais, da forma como procuramos distribuir as bexigas, devemos nos preocupar mais com os outros, como nos propõe o item 3, modelo de oração, que fala sobre o “Pai nosso”.
    (Adaptado de: Pré-adolescentes – Lição 06: A Oração na Igreja (Dinâmica). Disponível em: http://ebdinterativa.com.br/pre-adolescentes-licao-06-a-oracao-na-igreja-dinamica/. Acesso: 10 de julho de 2017).
  • Vídeo: Escolha o melhor momento de sua aula para exibir o vídeo “ORAÇÃO” do reverendo Hernandes Dias Lopes. Mostre a sua classe como é importante tal disciplina. Acesse neste link: https://www.youtube.com/watch?v=vakN0z–Kj0&t=3s.
  • Desafio da semana: Mande para seus alunos e alunas pelo WhatsApp, redes sociais ou exiba em sala, o infográfico com o desafio da semana desta lição.

 

Comentários Adicionais

  1. Aprenda a orar:
    “A oração exige um aprendizado contínuo. Tanto Jesus como Tiago tocaram nesse assunto. O Senhor declarou a Tiago e João: ‘Não sabeis o que pedis’ (Mt 20.22). E o irmão do Senhor chamou a atenção de seus leitores para o fato de a oração deles não ser respondida porque eles pediam mal, para esbanjar em seus prazeres”. (César, Elben M. Lenz. Práticas devocionais: exercícios de sobrevivência e plenitude espiritual. 4 ed. Viçosa: Ultimato, 2005, p.32)
  2. A oração persistente:
    “A Bíblia está repleta de exemplos de persistência na oração. Elias orou sete vezes no monte Carmelo (1Rs 18.42-44). Daniel orou por 21 dias acerca de uma única questão (Dn 10). Jesus orou três vezes no jardim do Getsêmani, por causa da prova que estava prestes a enfrentar (Mt 26.36-44). A Igreja Primitiva fez contínuas orações por Pedro, que estava agrilhoado na prisão (At 12.5)”. (Brandt, Robert L.; Bicket, Zenas J. O Espírito nos ajuda a orar. 1 ed. Rio de Janeiro: CPAD, 1996, p.273)
  3. Ore disciplinadamente:
    “Porque a oração é de grande importância e porque o homem é naturalmente indisciplinado, é bom que haja algum horário fixo de oração, como acontece até hoje entre judeus e muçulmanos. Daniel se obrigava a orar de joelhos três vezes ao dia (Dn 6.10). O próprio Davi fazia o mesmo em intervalos regulares de, talvez, seis horas… (Sl 55.17)”. (César, Elben M. Lenz. Práticas devocionais: exercícios de sobrevivência e plenitude espiritual. 4 ed. Viçosa: Ultimato, 2005, p.29.)
  4. Deus diz “sim”:
    “Deus diz sim a muitas de nossas orações. É animador listar os sins de Deus nas orações contidas na história bíblica. Isaque orou por sua mulher estéril, e Rebeca concebeu (Gn 25.21). Israel clamou contra a dura servidão de Faraó, e Deus ouviu o seu gemido e o tirou de lá com poderosa mão (Êx 2.23-25). Moisés intercedeu pelo povo, e o fogo do Senhor, que já havia consumido extremidades do arraial, apagou (Nm 11.1-3)”. (Ibidem, p. 27)
  5. Deus diz “não”:
    “Mas Deus diz não também a não poucas orações, mesmo que elas sejam proferidas por pessoas de caráter e de fé. Moisés implorou ao Senhor permissão para passar o Jordão e ver a terra da promessa, e Deus lhe disse: ‘Basta! Não me fales mais nisto’ (Dt 3.23-29). Apesar de ter sido um homem de oração, Davi orou sentidamente pelo filho recém-nascido gravemente enfermo, e Deus levou a criança depois de uma semana de intensa oração e jejum (2 Sm 12.15-23).” (Ibidem, p. 28.)