Dicas da lição 5 – “A composição humana”

A composição humana

  • Clique AQUI para acessar os slides da lição.
  • Para ouvir o podcast desta lição, clique AQUI.

 

Dicas

  • Vídeo: Para iniciar a lição, veicule a seus alunos, a cena da novela da TV Globo “O profeta”, que mostra a ideia vigente na sociedade e para a maioria dos cristãos, sobre a questão da alma ser imortal. Explique que apesar da popularidade desta concepção, tal forma de pensar é antibiblica. Explique que é sobre a forma correta de ver a composição humana, que a lição tratará. Acesse o vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=Uj3-HpIzIHM.
  • Elementos visuais: Para o item 1 “A constituição do ser humano”, leve alguns objetos, como vaso de barro e saquinho de terra, para mostrar como e do que os seres humanos foram feitos. Para o item 3 “A constituição integral do ser humano”, leve uma jarra com agua e fale sobre a ilustração da água com a unidade humana. Se preferir, mostre essas imagens no Datashow ou faça impressão delas.
  • Desafio da semana: Mande para seus alunos e alunas pelo WhatsApp, redes sociais ou exiba em sala, o infográfico com o desafio da semana desta lição.

 

 

Comentários Adicionais

    1. Sobre a composição:
      “A tradição semita (…), acredita que as dimensões material e imaterial do ser humano são indissociáveis, isto é, uma não existe sem a outra, sendo o ser humano uma unidade material-imaterial. (…) a natureza humana é uma unidade corpo+espírito, que recebe o nome de alma: ‘Formou o Senhor Deus o homem do pó da terra (adamah, corpo) e soprou nele o fôlego de vida (ruah, espírito), e ele se tornou alma vivente (nephesh, alma), diz Gênesis (2:7). (…) assim a Bíblia descreve o ser humano: corpo+espírito=alma.” (KIVITZ, Ed René. O livro mais mal-humorado da Bíblia. São Paulo: Mundo Cristão, 2009, p.64).
    2. Ser total:
      “Quando aplicada a uma pessoa (nephesh, alma), não se refere a uma parte específica de um ser humano. As Escrituras consideram uma pessoa como um todo composto, completamente relacionado com Deus e não dividido de alguma maneira (Dt 6.5; c.f. 1Ts 5.23).” (BÍBLIA de estudo palavras-chave hebraico e grego. Rio de Janeiro: CPAD, 2011, p.1804).
    3. Alma na visão de Jesus:
      “O homem aqui [Mt 10:28] não é visto pela perspectiva do dualismo grego, que o considera como uma alma aprisionada em um corpo. Deus fez o homem em sua existência corporal e a salvação é completada apenas por ocasião da ressurreição do corpo.” (ALLEN, Clifton J. Comentário Bíblico Broadman: Novo Testamento: volume 8. Tradução: Adiel Almeida de Oliveira. São Paulo: JUERP, 1986, p.177).
    4. Dicotomia, ideia platonista:
      “Platão ensinava que o corpo era matéria perecível mas que a alma existia no mundo celestial em forma ou idéia pura, antes da sua encarnação no corpo humano. A alma, portanto, era incriada e imortal – uma parte da deidade. O corpo é a prisão da alma; a alma está trancada no corpo como uma ostra na sua concha. Na ocasião da morte, a alma volta ao mundo celestial, ou para ser reencarnada em algum outro corpo. A adaptação que Aristóteles fez de Platão, ao dividir a alma nos seus aspectos anima e racional, foi desenvolvida ainda mais na doutrina católico-romana através de Tomás de Aquino, que ensinava que a alma era criada no céu e colocada no corpo em formação na ocasião da ‘vivificação’ no ventre materno.” (ELWEll, Walter A. Enciclopédia Histórico-Teológica da Igreja Cristã. Tradução: Gordon Chown. São Paulo: Vida Nova, 2009, p.465).
    5. Totalidade paulina:
      “(…) quando a Bíblia diz, por exemplo: … todo espírito, alma e corpo de vocês (1 Ts 5:23), essas expressões equivalem a “todo ser de vocês”. Quando nos depararmos com passagens bíblicas em que as palavras “alma” e “espírito” são usados para se referir às intenções, à vontade, ao coração, ao intelecto, à vida interior etc., não devemos entender que estão ensinando que o ser humano possui espírito ou alma independentes. Neles, não está se tratando da constituição do ser humano, que, como vimos, é: corpo + espírito = alma (o ser total). Este é o ensino das Escrituras.” (O Doutrinal: Nossa crença ponto a ponta. São Paulo: GEVC, 2012, p.263).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.