Dicas da lição 5 – “A gratidão e o dinheiro”

Dicas da lição 5 – “A gratidão e o dinheiro”

A gratidão e o dinheiro

  • Clique AQUI para acessar os slides da lição.
  • Para ouvir o podcast desta lição, clique AQUI.

Dicas

  1. Relembrando Testemunhos
    Peça com antecedência para os seus alunos relembrarem de um momento difícil de suas vidas financeira, descrevendo isso numa folha de papel. Em seguida, na mesma folha, os alunos deverão descrever as formas que Deus utilizou para suprir as necessidades daquele momento difícil passado pelo aluno ou por sua família. No sábado, quando os alunos trouxerem os relatos, os mesmos deverão ser compartilhados entre os alunos, conduzindo a discussão no entendimento de que Deus cuida de nós nos cuidados mais simples e que às vezes nem percebemos. Após isso indague: “É possível ofertar em meio à crise financeira?”
  2. Caixa de Presentes
    Leve para a classe uma caixa de presente grande e bem bonita. Dentro dela, coloque papéis com algumas palavras que representem os presentes que recebemos de Deus em nossas vidas, como por exemplo: trabalho, escola, faculdade, transporte, plano de saúde, lazer, aumento de salário, mudança de profissão (melhoria), promoção no trabalho, viagem de férias… etc. Peça aos alunos para eles retirarem um a um os presentes de dentro da caixa e peça para que eles mostrem a importância de cada um deles em suas vidas. Quando a caixa estiver vazia faça a seguinte pergunta: “Que presentes a obra de Deus precisa?”. Isso deve ser feito para esclarecer que as ofertas são necessárias para a manutenção da Obra de Deus, assim como nós, a obra de Deus tem as suas necessidades e devemos ofertar com gratidão, voluntariedade e proporcional às bênçãos recebidas.

Comentários Adicionais

  1. Uma motivação graciosa:
    “Ofertamos porque ofertar é pela graça, não com o luto de uma perda, nem pelo constrangimento de uma coerção, mas com alegria, por amor. É algo difícil de entender por aqueles que ainda não foram alcançados pela graça da salvação.” (SOBRINHO, João Falcão. Princípios bíblicos do dízimo cristão. Curitiba: A.D. Santos, 2010, p.11).
  2. Uma oferta alegre:
    “Alegria contagiante vem de fazer o que Deus quer e o que agrada ao Senhor. A oferta generosa sempre se distingue por sua alegria. A fonte de alegria é ter recebido tanto de Deus que o ofertante se alegra com a oportunidade de dar.” (BOST, Bryan J. Deus e o dinheiro: o papel das finanças na vida do cristão. 2 ed. São Paulo: Arte Editorial; Vida Cristã, 2007, p.62).
  3. Ofertas livres:
    “Portanto, damos nossas ofertas por conta própria, e não como resposta a uma ordem (2Co 8.8). Damos, livremente, de tal modo que nosso íntimo podemos afirmar que a oferta foi dada genuinamente por nós.” (CARRIKER, Timóteo. Trabalho, descanso e dinheiro. Viçosa: Ultimato, 2001, p.71).
  4. A oferta errada:
    “Há igrejas que estão desengavetando as indulgências da Idade Média e vendendo as bênçãos de Deus, cobrando taxas abusivas por seus serviços. Há igrejas que levantam dinheiro apenas para enriquecerem, lançando mão de metodologias opressivas. A igreja não pode imitar o mundo. (LOPES, Hernandes Dias. Dinheiro: a prosperidade que vem de Deus. São Paulo: Hagnos, 2009, p.43).
  5. Ofertar só o que pode:
    “Quando há proporcionalidade na oferta não há sobrecarga para ninguém. Quem muito recebe, muito pode dar. Quem pouco recebe, do pouco que tem oferece uma oferta sacrificial. Devemos contribuir de acordo com a nossa renda para que Deus não torne a nossa renda de acordo com a nossa contribuição.” (Ibidem, p.45)