Dicas da lição 8 – “A motivação e o dinheiro”

Dicas da lição 8 – “A motivação e o dinheiro”

A motivação e o dinheiro

  • Clique AQUI para acessar os slides da lição.
  • Para ouvir o podcast desta lição, clique AQUI.

Dicas

  1. Vídeo: Comece a aula, exibindo o vídeo, em que o pastor fala de um “contrato da fé”. Fale as pessoas, que isso não significa que todas as pessoas nessas igrejas são falsos, mas, mostre o perigo da “teologia da prosperidade”. Veja o video aqui: https://www.youtube.com/watch?v=r1yjMzKoYs4.
  2. Notícias: Leve para sala de aula, notícias que tomaram conta da mídia, sobre pessoas que forem enganadas por conta da “teologia da prosperidade”. Você pode imprimir ou coloca-las nos slides da lição. Utilize este recurso no item 1 (p.52).
  3. Utilizando um quadro ou cartolina, ou outro recurso, e fale para seus alunos e alunas, destacarem algumas características, presentes da lição, que provam que igrejas pregam a teologia da prosperidade. Via de regar são igrejas neopentecostais. Peçam para detectar movimentos no evangelicalismo, que eles percebem que pregam tais doutrinas. Utilize este recurso, no item  3 (pp.53-54) ou na aplicação 2 (p.55).
  4. Após a aplicação da lição (pp.55-56), peça que cada aluno e aluna, destaque da lição uma frase que postaria nas redes sociais (se as utilizam). Depois da escolha, diga que reflitam sobre a frase e orem na semana. Sugira ao fim, para postarem nas redes sociais a frase escolhida, e a # (hashtag) #AprendiNaEscolaBiblica

Comentários Adicionais

  1. Uma doutrina falsa:
    “Jesus percebeu que os judeus se ressentiam com o fato de serem pobres, sentindo-se humilhados e acreditando que Deus não se agradava deles. Jesus muitas vezes contradisse essa doutrina falsa e destrutiva, mostrando que, na contabilidade divina, os pobres, oprimidos e deficientes eram objeto especial das bênçãos e do cuidado de Deus (Mateus 5.1-12).” (FOSTER, Richard. A liberdade da simplicidade. Tradução de Judson Canto. São Paulo: Vida, 2008, p.60).
  2. Motivados pelo amor:
    “Nosso amor por Deus não passa de palavrório vazio se não ofertarmos ao Senhor com generosidade. Nossa contribuição, ainda que sacrificial, não tem valor diante de Deus se não é motivada pelo nosso amor ao Senhor e à Sua obra.” (LOPES, Hernandes Dias. Mensagens Selecionadas. São Paulo: Hagnos, 2007, p.205).
  3. Motivados pelo dinheiro:
    “Há tantas distorções em nossos dias, que às vezes temos a impressão de que a nossa salvação consiste apenas em possuir bênçãos materiais. Os pregadores da prosperidade enfatizam tanto que devemos conquistar bens e riquezas, que nos esquecemos até de cultuar a Deus, de louvá-lo, de bendizer-lhe por tudo quanto tem feito por nós, dando-nos a preciosa salvação em Cristo (Sl 103.1,2; 116.12,13).” (ZIBORDI. Ciro Sanches. Evangelhos que Paulo jamais pregaria. Rio de Janeiro: CPAD, 2006, p.75).
  4. O que é central?:
    “Precisamos aprender com Jesus, e não com os teólogos da prosperidade. Para eles, a vida cristã resume-se em ter saúde, bens, dinheiro, despensa cheia… Tudo gira em torno de prosperidade financeira. No entanto, Jesus ensinou: ‘Trabalhai não pela comida que perece, mas pela comida que permanece para a vida eterna…’ (Jo 6.27).” (Ibidem, p.70).
  5. O culto da motivação errada:
    “O culto que atrai é uma versão religiosa do ‘aqui e agora’, concreto, simplificado, com o triunfo dos mocinhos (de gravata) contra os bandidos (endemoninhados), pois os chefes supremos (tal qual He-Man) ‘têm a força’. Afinal, a saúde, o emprego, o filho sem maconha, a filha sem se prostituir ou o marido sem se embriagar são bênçãos existenciais instantâneas, conseguidas com a compra de ações na bolsa de valores celestial, intermediada não por abstrações, mas pela concretude dos óleos e águas bentas, nossos velhos conhecidos.” (CAVALCANTI, Robinson. A igreja, o
    país e o mundo. Viçosa: Ultimato, 2000, p.34).