Dicas da Lição 8 – “Os ensinos do Filho do Homem”

Dicas da Lição 8 – “Os ensinos do Filho do Homem”

Os ensinos do Filho do Homem

  • Clique AQUI para acessar os slides da lição.
  • Para ouvir o podcast desta lição, clique AQUI.

 

Dicas

  • Para a introdução da lição, distribua uma folha de papel para cada um de seus alunos e peça que eles respondam à seguinte pergunta: “Qual foi o ensinamento você aprendeu na escola que marcou a sua vida? Por quê?” A partir da resposta de cada um deles, relacione com os ensinamentos de Jesus e a importância desses ensinamentos para a nossa vida.
  • Para incentivar a reflexão do aluno, realize essa dinâmica que tem como objetivo reforçar a importância de aprendermos e assimilarmos os ensinamentos de Jesus. O material necessário para essa dinâmica é: uma bolinha de isopor, um giz, um pote de vidro vazio, uma esponja e uma vasilha com água. Em primeiro lugar, você pode explicar que a água representa os ensinamentos de Jesus e que o objeto representa a cada um de nós. Depois você deve colocar a água na vasilha, e alguém mergulha o isopor. Após ver o que acontece com o isopor, outra pessoa mergulha o giz, depois, outro aluno mergulha o vidro de remédio e por último, a esponja é mergulhada por outro aluno. Na medida em que cada objeto for mergulhado, reflita com a classe: “ao colocar a bolinha de isopor na água, observemos que o isopor não afunda e nem absorve a água. Como nós absorvemos os ensinamentos de Jesus? Somos também impermeáveis?” Ao mergulhar o giz na água, diga: “o giz retém a água só para si, sem repartir. E nós? Temos absorvido os ensinamentos de Jesus, mas sem compartilhar com as outras pessoas?”
    A seguir, encha de água o pote de vidro e logo em seguida despeje toda a água e reflita: “o pote tinha água só para passar para os outros, mas sem guardar nada para si mesmo. E nós? Temos guardado os ensinamentos de Jesus em nossos corações?” Por fim, mergulhe a espoja e esprema a água que ficou nela. Depois disso, compartilhe com a classe: “a esponja absorve bem a água e mesmo espremendo ela continua molhada. Que possamos “absorver” os ensinamentos de Jesus e ser transformados por eles. Além disso, que sejamos capazes de compartilhar estes ensinamentos a todas as pessoas que estão à nossa volta”.
  • Para finalizar, peça que um (ou mais) de seus alunos testemunhem as mudanças que o Senhor Jesus tem realizado em suas vidas, a partir do momento em que eles decidiram colocar em práticas os ensinamentos de Jesus que estão propostos na lição.

 

Comentários Adicionais

Item da lição: “Seus ensinos eram práticos”

1. Capacitados às boas obras:
“Em gratidão pela salvação que, pelos méritos de Cristo, já recebemos como um dom gratuito, e guiados e dotados com poder pelo Espírito Santo, devemos agora viver uma vida que seja para a glória do Deus Triúno. Isso significa que, mesmo quando durante nossa vida terrena não pudermos amar a Deus e ao próximo de forma perfeita, contudo, em princípio, começaremos a viver de conformidade com sua lei. A lei do amor não foi cancelada.” (Hendrinksen, Willian. Comentário do Novo Testamento: Lucas. São Paulo: Cultura Cristã, 2003, vol. 2, p.95).

2. As duas irmãs:
“É surpreendente comparar a descrição dessa dupla de irmãs em uma hora tão pacífica e indizivelmente ditosa com a descrição das mesmas mulheres no dia da morte e do luto (Jo 11). Marta, em ambas as situações atarefada e voltada para ação, Maria, em ambas concentrada e voltada para o íntimo. O fato de que não se trata de uma cópia decorre do fato de que Lucas silencia completamente acerca de Lázaro.” (Rienecker, Fritz. Evangelho de Lucas: comentário Esperança. Tradução: Werner Fuchs. Curitiba: Esperança, 2005, p.245).

3. Aprendendo a orar:
“Impressionados com alguma coisa acerca da maneira pela qual Jesus orava, um dos seus discípulos pediu orientação do tipo que João Batista dera. Líderes religiosos daqueles dias frequentemente ensinavam seus seguidores como orarem (…). Seu pedido, Senhor, ensina-nos a orar, talvez quisesse dizer que queria uma forma de palavras que pudesse empregar, ou um padrão segundo o qual pudesse modelar suas orações, ou algumas instruções gerais sobre o assunto.” (MORRIS, Leon L. O Evangelho de Lucas. Tradução de Gordon Chown. São Paulo: Vida Nova e Mundo Cristão, 1983, p.182)

Item da lição: “Seus ensinos eram confrontadores”

4. Exigindo sinais:
“(…) eles fizeram a Jesus a exigência de um ‘sinal do céu’, como tinha sido exigido na Galileia (Mt 12.38). Com ‘sinal’ (…) eles queriam dizer o tipo de grande e espetacular exibição de poder celestial, que eles esperavam do Messias. O Diabo tinha sugerido tal exibição a Jesus no pináculo do templo.” (ROBERTSON, A. T. Comentário Lucas: à Luz do Novo Testamento Grego. Tradução: Luís Aron de Macedo. Rio de Janeiro: CPAD, p.218).

5. Lavar as mãos:
“O escândalo experimentado pelo fariseu por causa do comportamento de Jesus não podia ser tacitamente ignorado pelo Senhor. A hospitalidade demonstrada não deveria ser motivo para atenuar as críticas por causa da culpa dos líderes do povo, os fariseus. Jesus imputa aos fariseus três pecados que tornam toda a sua aparente devoção aos olhos de Deus: a) hipocrisia ([Lc] v.39-41); b) ambição (v.42-43); c) influência nociva, que eles exerciam sobre todo o povo com sua devoção fingida (v.44).” (Rienecker, Fritz. Evangelho de Lucas: comentário Esperança. Tradução: Werner Fuchs. Curitiba: Esperança, 2005, p.263).

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: