Dicas da Lição 9 – O mal não prevalece

Dicas da Lição 9 – O mal não prevalece

O mal não prevalece

Clique AQUI para acessar os slides da lição.

Para ouvir o podcast desta lição, clique AQUI.

COMENTÁRIOS ADICIONAIS

01. A Babilônia: “(…) a Babilônia de Apocalipse 17 e 18 é mais um símbolo do que um lugar. Faz menção à Babilônia dos tempos de Babel, à Babilônia de Nabucodonosor (senhora do mundo), à Roma dos Césares e a todos os impérios do mundo que se levantaram contra Deus e sua igreja. A Babilônia, nestes capítulos, não é apenas a escatológica, mas também a atemporal, o mundo como centro de sedução, em qualquer época. Ela é um símbolo da rebelião humana contra Deus. É o sistema mundano que se opõe a Deus.” (ROCHA, Alan (org.). O Apocalipse: escreva, pois, as coisas que você viu, tanto as presentes como as que estão por vir. São Paulo: GEVC, 2014, p.133).

02. Uma Babel de significados: “A visão está dividida basicamente em dois aspectos: o cap. 17 traz a sua conotação religiosa; no 18, estão destacados os seus aspectos econômicos. Primeiro, Babilônia ensinou idolatria; a idolatria afastou o homem de Deus; afastado de Deus, ele se tornou egoísta, como Nimrode; então passou a querer coisas, mais e mais; a concorrência o levou à ostentação de beleza, riqueza, status, poder, fama e glória. A influência que a Babilônia exerce sobre os povos é religiosa, econômica e cultural. O domínio político e militar está a cargo desta besta. (MIRANDA, Neemias Carvalho. Apocalipse: comentário versículo por versículo. Curitiba: A. D. Santos, 2013, p.293).

03. Igreja X Babilônia:

tabela-lb313

 

 

04. Cântico de funeral: “O capítulo 18 consiste, em sua maior parte, em um cântico fúnebre que celebra a queda da Babilônia. (…) trata-se de uma referência à (…) meretriz que, além de construir um amplo sistema religioso, talvez seja também a maior organização comercial do mundo e, possivelmente, controle todo mercado internacional.” (MACDONALD, William. Comentário bíblico popular: Novo Testamento. Tradução de Alfred Poland et al. São Paulo: Mundo Cristão, 2008, p.1013).

Invista em sua vida devocional

  • É imprescindível que você ore a Deus, leia a sua Palavra e interceda por seus alunos. Peça ao Espírito Santo para modificar a vida de cada um de sua classe nos momentos em que a lição estiver sendo ministrada.
  • No primeiro tópico, a lição vai apresentar o significado da grande Babilônia, mencionando também a sua derrota, em contraste com a igreja de Cristo. Distribua uma folha de sulfite para os seus alunos e peça que eles escrevam nela o que aprenderam sobre a Babilônia, ao estudarem a lição em casa. Peça que eles registrem também quais são as atitudes (na prática) que cada um vai ter, para não ser seduzido ou enganado por ela.

A Babilônia produz na sociedade uma grande inversão de valores

  • Procure uma notícia na internet, ou em jornais e revistas que demonstrem justamente tal inversão. Compartilhe esta informação com seus alunos e peça que eles reflitam na classe sobre como tais inversões têm influenciado a sociedade em que vivemos. Peça que eles debatam também sobre a importância da Igreja, como o Corpo de Cristo, para que os valores bíblicos sejam mantidos, proclamados e vividos.
  • Divida a sua sala em grupos de 2 ou três alunos e peça que eles meditem a respeito das questões 5 e 6. Dê um tempo para que seus alunos falem para toda a classe sobre as conclusões que chegaram, e logo depois, conceda a cada grupo a oportunidade de expor a reflexão que fizeram.
  • Ore a Deus com seus alunos agradecendo a Deus pela vitória concedida à sua igreja, através da volta de Cristo.

 

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: