Em busca de paz

O que fazer quando a ansiedade insiste em nos assaltar?

“Não andeis ansiosos por coisa alguma, mas em tudo, pela oração e pela súplica, com ações de graça, sejam as vossas petições conhecidas diante de Deus. E a paz de Deus que excede o vosso entendimento, guardará os vossos corações e as vossas mentes em Cristo Jesus.” (Filipenses 4: 6 e 7).

Vivemos num mundo em que a paz é um sentimento buscado por muitas pessoas, mas alcançado por apenas algumas delas. É um mundo em que a velocidade das informações, o ritmo de trabalho, a preocupação com a violência cotidiana são constantes. Dessa forma, podemos nos perguntar: será que alguém consegue alcançar a verdadeira paz para a sua vida? Essa necessidade também alcançava as pessoas no período em que o apóstolo Paulo vivera, como observamos nos versículos descritos acima. Podemos afirmar, consequentemente, que ele estava preocupado com a felicidade e a alegria dos membros da igreja de Filipos, sendo que seu maior anseio era o de ver essas pessoas experimentando uma verdadeira paz no Senhor Jesus Cristo.

Com relação a essa preocupação, o apóstolo Paulo afirma que devemos evitar a ansiedade para que a paz de Deus seja derramada sobre nossos corações. Nesse contexto, a palavra “ansioso” significa “sem quietude”, “sem tranquilidade”, com a tendência de se preocupar ou ponderar as circunstâncias em demasia. A expressão “não andeis ansiosos” portanto, significa que não devemos andar preocupados, ponderando ou meditando demais nas coisas, significa também que não devemos ter uma preocupação a respeito das situações a serem ainda vivenciadas. Contudo, isso não significa que não devemos cuidar de nossas necessidades diárias ou que não devemos ter sabedoria e bom senso para administrar determinada situação. É a preocupação desgastante e atormentadora que nós devemos evitar de qualquer maneira.

Mas o que acontece quando a ansiedade insiste em nos assaltar? Muitos de nós vivemos situações e circunstâncias em que ficamos extremamente ansiosos. Sendo assim, como Paulo nos estimula a lidar com isso? Todos nós temos a tendência de permitir que as circunstâncias nos atemorizem, principalmente porque gostaríamos de estar no controle e no governo de nossas próprias vidas. Por isso, não basta afirmar somente “pare de se preocupar.” Em primeiro lugar, devemos buscar a Deus através da oração, da adoração e do agradecimento. Precisamos reconhecer que a presença de Cristo em nossas vidas é o fator que nos concede a paz que desejamos.

Todavia, as palavras de Paulo não terminam por aí, já que ele percebeu que o ser humano tem a tendência de se entregar a um estado de ansiedade prejudicial a si mesmo. Por isso, é necessário humano da ansiedade destruidora e doentia. Essa paz nos mantém seguros em relação às situações que nos mantém acordados e nos impedem de dormir. Por último, essa paz que provém de Deus operar apresentando-nos ao Senhor Jesus Cristo, lembrando-nos sempre que as ansiedades não vão nos destruir, pois ele tem cuidado de nós. Não nos esqueçamos nunca que Deus é a nossa paz!

 

Pr. Fernando dos Santos Duarte é responsável pela IAP em Votuporanga (SP) e diretor financeiro da Convenção Noroeste Paulista da IAP.

 

%d blogueiros gostam disto: