Encarando quem realmente somos

“Não desejamos ser principiantes. Mas, convençamo-nos do fato de que, por toda a vida, nunca seremos mais que principiantes!”

Já reparou nos boleiros discutindo futebol? Nos torcedores, nos fanáticos, nos atletas de final de semana, já reparou? Todos têm o esquema tático perfeito e imbatível. Todos têm a receita da vitória. Bastaria seguir à risca suas orientações, palpites e pronto, qualquer time sempre ganharia, nunca perderia. Só que não, futebol é um dos esportes que mais aprontam surpresas.

Especialistas, competentes, capazes, habilidosos, ágeis, melhores, enfim, pessoas que se acham acima da média, não faltam. Na verdade, sobram. E sobram em todas as áreas. Profissionais, acadêmicas, esportistas, familiares e, sim, religiosas. Isso mesmo, gente que se julga profissional e qualificadíssima lotam os bancos das igrejas a cada semana.

Um dia desses, um pastor desabafou comigo. Disse que enquanto assistia, se edificava e aprendia com a mensagem de um jovem pastor, dois seminaristas ao seu lado detonavam a pregação do mesmo. Errou na concordância, o significado do grego daria peso, se ele aplicasse o hebraico ficaria melhor, a divisão de tópicos está fraca, falta criatividade, o cara não tem presença, que discurso óbvio, eu faria assim, eu faria assado, é fraquinho, bem fraquinho esse irmão.

Os dois seminaristas eram, disse o pastor, profissionais demais para o gosto dele. Até podiam criticar, mas em outro momento, de preferência com temor e amor, visando construir e não destruir. Tão jovens e tão presunçosos. Tão franguinhos e achando que já eram leões. O desabafo continuou. Confessou um certo dissabor e desânimo com as constantes ironias, sarcasmos e risadinhas de canto de boca, tudo numa combinação de atitudes carnais que evidenciam o ar de superioridade em muitos colegas ministeriais. E esta última parte do desabafo ele dirigiu não só aos jovens, mas também a velhos pastores. O que aumenta a decepção dele. E minha.

O comportamento se repete entre as lideranças leigas igualmente. Por culpa de alguns, músicos e cantores já são figuras carimbadas quando o tema é estrelismo e achismo. Módulos semanais, seminários de final de semana, apostilas de cursos com dez lições e congresso em alguma cidade turística também fazem o ego de muitos não caber em si. E dá-lhe arrogância estampada em expressões “eu-sei-bem-mais-que-você”.

É a velha comparação da pedra e da vidraça. Ser pedra é fácil. Vidraça, no entanto, é bem mais complicado. Como numa gangorra, segue-se a vida, ora em cima, ora embaixo. O que somos, institucionalmente falando, somos apenas circunstancialmente. Cargos e posições passam, têm data de validade. Numa sentença seca, direta e sem rodeios, Josué 1:2 nos lembra das limitações humanas: “Moisés, meu servo, é morto…”

Este texto escrevi para principiantes, e parafraseando Paulo, dos quais eu sou o primeiro. Precisamos de mais e mais principiantes. Pessoas que têm fome de aprendizado, gente que se emociona com a estrofe de um hino, com a poesia de um salmo, com pequenas providências divinas.

Principiantes não se apóiam em suas seguras experiências, e elas são importantíssimas, mas se firmam na fé. Principiantes vibram com pequenas coisas, tudo motiva ajudar, servir, dividir, acompanhar. Principiantes são influenciados por um sentimento que a Bíblia chama de primeiro amor, lugar espiritual para o qual sempre devemos voltar. Principiantes anseiam conhecer e entender as línguas originais, hermenêuticas, exegeses, gramáticas, visões liberais e conservadoras, progressistas e históricas, enfim, principiantes querem acesso a todo tipo de ferramenta boa e possível, mas não perdem a vitamina dos sonhos que os impulsionam e fazem deles exatamente isso: principiantes.

Também estou farto de profissionais em igrejas. Se a teologia apagar a poesia, a emoção e a aventura da fé, eu prefiro abrir mão dela. E este tipo, na verdade, é uma teologia meramente técnica e só, e desta já abri mão faz tempo. A boa teologia, que respeita o ritmo das narrativas bíblicas, que pisa o chão de terra, areia e pedra que os antigos pisaram, a ponto de sentir o cheiro de cada personagem bíblico, nos aproxima da poesia, nos coloca como admiradores das obras de Deus, como dependentes da Graça Divina e com corações dispostos e abertos a aventurarem-se nos campos da fé.

Principiantes estão sempre ávidos por descobrir. Nunca param de ler, pesquisar, questionar, fuçar, ouvir. Principiantes já descobriram que a Trindade, o amor, a fé e a vida são mistérios e, diante do mistério, já aprenderam que a melhor posição atende pelo nome de humildade. Thomas Merton sacou com plena lucidez esta verdade, e para principiantes como eu, deixou uma frase que sintetiza plenamente este meu texto: “Não desejamos ser principiantes. Mas, convençamo-nos do fato de que, por toda a vida, nunca seremos mais que principiantes!”.

Pr. Edmilson Mendes congrega na IAP em Pq. Itália (Campinas, SP) e integra do Departamento Ministerial – Convenção Geral e Paulista.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: