“Eu já pensei em me matar”

Pastores não são super e podem passar por doenças emocionais

Ano após ano, a gente ouviu e assistiu o falso ensino de que uma vez que Jesus levou sobre si as nossas doenças, todo aquele que acredita nele não fica mais doente. Milhões creram nisso.

Creram, mas ainda adoeciam. E quando isso ocorria era um “Deus nos acuda”. Sabe por quê? Porque a doença passou a ser vista como fruto de falta de fé ou de alguém pecado pessoal ou familiar.

Creram, mas ainda adoeciam. E quando isso ocorria era um deus nos acuda. Sabe por quê? Porque a doença passou a ser vista como fruto de falta de fé ou de alguém pecado pessoal ou familiar.

Diante disso, o medo de ser visto doente tomou conta de todo mundo. Omitir ou negar toda sorte de doença – até mesmo uma simples gripe – virou moda nas igrejas do Brasil e do mundo afora.

Alguém com dores não podia sequer sonhar em dizer: “está doendo”. E se o alguém fosse um pastor? Aí que não podia mesmo. Não poder falar da própria doença nem as dores advindas dela, adoece mais ainda. Adoece a mente.

Se as doenças do corpo são difíceis de lidar, o que dizer das doenças da mente. Alguém doente da mente pode pensar um monte de coisa, inclusive pode pensar em acabar com a própria vida. Até um pastor pode pensar assim? Sim, pode! Um pastor não está livre de pensar que é melhor morrer do que viver. Pastor não é super nem sumo. Pastor super e sumo apenas Jesus, como está dito em certo lugar.

Pensa, mas não fala. Quem pensa em se matar, quase sempre fala disso antes de fazê-lo. Pastor tem maior chance de fazer sem falar. “Quem vai querer me ouvir falar que quero me matar?”, pensa.

Pastor não tem amigos. O ministério pastoral é o ministério da solidão. Em reuniões só para pastor, não há lugar para falar dessas coisas. Fala-se de batismos, de reformas, de decisões, de vitórias, de conquistas.
E as ovelhas que estão sob os seus cuidados? Bem, ele ouve as ideias de morte delas, mas, por causas questões ditas acima, jamais pode falar da suas próprias ideias de morte com elas.

Sou pastor de igreja desde 1994. Nunca pensei em me matar. E olha que já passei por muitos perrengues. Mas sei de pastor que já pensou.

Não sei se as ovelhas dos dois pastores assembleianos, que se enforcaram na semana passada, sabiam que o pastor delas pensava em se matar. Deus o sabe. E o seu pastor, será que já pensou? Lição de casa: chegue junto dele, e sonde-o. E se ele lhe disser, “eu já pensei em me matar”, acolha-o e ajude-o.

Pr. Genilson Soares da Silva é responsável pela IAP em Vila Camargo, Curitiba – PR.