Identidade promessista – II

Valorizando nossa história como povo de Deus

A Igreja Adventista da Promessa (IAP) nasceu em 1932, na cidade de Paulista (PE). Com 83 anos de história, nossa caminhada conflui-se com a caminhada do povo de Deus em todos os tempos. Não somos uma “anomalia” no Corpo de Cristo, pois consideramos a história dos cristãos antes de nós como nossa história, afinal, antes de existirmos como denominação, houve quase dois mil anos de cristianismo vividos, sem contar com a historia de nossos irmãos do Antigo Testamento.

Sem dúvida, não nos seria sábio jogarmos fora tantos anos de andança com Deus. Por isso, desde o início da IAP, procuramos fugir do sectarismo (exclusivismo), mesmo que, de alguma forma, lutamos sempre contra este sentimento que surgiu no decorrer de nossa vida denominacional. Sem dúvida, não somos a única igreja verdadeira, mas somos parte da igreja presente em todo mundo: aquela composta por todos os cristãos, de todos os tempos e lugares, formada por judeus e gentios; de todas as raças, povos, línguas e nações, que um dia estará junto com o Cordeiro (Ap 7.9).

Cremos que Deus tem levantado homens e mulheres leais a sua Palavra, mesmo depois da morte dos Apóstolos. Basta folhearmos as páginas do nosso livro de história denominacional, “Marcos que Pontilham o Caminho”1, e percebermos nosso alinhamento com a História Cristã, mostrando que não a desprezamos: Irineu, Tertuliano, Agostinho, Lutero etc. Movimentos como  Quakers, Metodistas, Rua Azuza etc. Ainda que reconheçamos momentos de desvio na Igreja Cristã, longe de nós nos considerarmos “o único povo de Deus na Terra”, como disse nosso fundador, o Pr. João Augusto da Silveira, mas certamente pertencemos a esse povo.

Isso não tira nossa peculiaridade e importância, mas enfatiza nossa consciência de que pertencemos à Igreja de nosso Senhor, aquela comunidade formada pelo Espírito no dia de Pentecostes; cuja regra de fé e prática é a Bíblia, a qual tentamos seguir em todo nosso discurso e vida. Somos, então, parte dos cristãos verdadeiros: aqueles que têm a fé em Cristo e guardam seus mandamentos (Ap 14:12).

O que podemos dizer é que Deus nos chamou para servi-lo de maneira peculiar e zelosa, levar sua Palavra para o Brasil e a partir do Brasil. Louvamos a Deus que nos tem sustentado até aqui e nos feito reconhecer que somos parte de seu povo. A IAP:

“(…) tem uma importante missão a cumprir: ‘cultivar e expor todos os ensinamentos bíblicos, e não somente aqueles que dizem respeito ao perdão e à justificação pela fé, mas também os que se referem à doutrina do batismo no Espírito Santo, os dons espirituais, e à vigência da lei moral dos dez mandamentos, entre outras, igualmente importantes para a edificação daquele que crê. Este deve ter sido o propósito de Deus, ao conceder ao Pr. João Augusto da Silveira a bênção do batismo no Espírito Santo.”2

Como cristãos promessistas, valorizemos a História do Cristianismo, aprendamos com seus acertos e erros, sem esquecermos as peculiaridades de nosso chamado como denominação, cumprindo a missão para a qual fomos chamados.

 

Andrei Sampaio Soares congrega na IAP em Vila Medeiros (SP) e é colaborador do Departamento de Educação Cristã da IAP

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: