Inclusão dentro e fora da igreja

Inclusão dentro e fora da igreja

IAP em Itatiba (SP) é referência regional no trabalho com deficientes auditivos.

Grupo Zoe: todos os membros da IAP são envolvidos no projeto

Grupo Zoe: todos os membros da IAP são envolvidos no projeto

O Artigo 3º da Declaração dos Direitos das Pessoas Portadoras de Deficiência diz: “Às pessoas portadoras de deficiências,  assiste o direito, inerente a todo e qualquer ser humano, de ser respeitado, sejam quais forem seus antecedentes, natureza e severidade de sua deficiência. Elas têm os mesmos direitos que os outros indivíduos da mesma idade, fato que
implica desfrutar de vida decente, tão normal quanto possível”.

A Igreja Adventista da Promessa em Itatiba (SP), na Convenção Paulista, sabe bem o significado de respeitar e dar aos  deficientes os mesmos direitos de qualquer pessoa. O grupo Zoe nascido naquela igreja, há cerca de dez anos, desenvolve um sério trabalho com deficientes auditivos, físicos e visuais. Atualmente, a IAP de Itatiba é referência não apenas na cidade como em toda a região, por conta de sua atuação social. Responsável pelo campo, ao lado de sua esposa, Dsa. Berenice, Pr. Enéias Manoel dos Santos enfatiza o fato de todos os membros da igreja darem a devida atenção aos deficientes que a frequentam.

Zoe, em grego, significa “vida plena em Jesus”. Pelo grupo, é possível enxergar que Deus habita em seus filhos, concedendo-lhes vida abundante, independente  de suas limitações. Sua líder, Irmã Dilma Conceição Rodrigues Batista, conta que em 2005 a igreja começou a perceber a necessidade de mudanças, pois assim como as pessoas lá chegavam, saíam, sem se fixarem. Na época, o rumo dado ao trabalho foi o evangelismo por meio do teatro, que se ampliou, com a ministração de cursos de libras – língua de sinais – e o evangelismo de rua, com atrativos como máquina de algodão doce, esculturas de balão e pinturas no rosto. “Enquanto os irmãos evangelizavam, a gente cuidava das atividades paralelas”, relata. Ela e o filho, Eder Jessé Rodrigues Zanella, explicam que o enfoque atual do grupo passou a ser o evangelismo por meio dos cursos. A capacitação na linguagem de sinais é uma porta de entrada para várias pessoas.

Desde a fundação do Zoe, cerca de 400 pessoas já aprenderam a língua de sinais, dentre elas universitários, profissionais,
membros de outras igrejas e pessoas não evangélicas. A interação com os deficientes auditivos faz com que eles se sintam
bem neste convívio. Eder conta que eles não ficam restritos aos eventos da igreja, mas fazem festas, saem juntos, vão ao parque, jogam bola aos domingos, entre outras atividades, o que faz com que a igreja se torne um ponto de encontro. “O legal de tudo isso é que a família do surdo passa a confiar em nós e vem também”, comemora. O carinho com cada deficiente, seja auditivo, visual ou físico, é perceptível em cada gesto dos membros da igreja e do grupo Zoe. Entre as pessoas com deficiência daquela IAP, está a jovem cadeirante e portadora de deficiência intelectual Lurdes Ângelon, mais conhecida como “Lurdinha”. Sua irmã, Juliana Ângelon, é quem cuida e age como porta-voz da jovem. “Ela se sente muito bem aqui”, conta Juliana,”até costumo dizer que  aqui está nossa segunda família, porque nunca encontrei pessoas tão boas assim. Elas buscam a gente em casa, carregam a Lurdinha para colocá-la no carro, nos dão total atenção”.

Referência de serviço ao município

Culto em 24/09: participação de 55 pessoas com necessidades especiais

Culto em 24/09: participação de 55 pessoas com necessidades especiais

Atualmente, seis membros da IAP trabalham profissionalmente na área, na cidade de Itatiba. “Além de fazer o trabalho de evangelismo e acolhimento, a igreja presta serviços ao município. Por causa desse trabalho, a igreja é muito bem vista pelo Prefeito e pela Secretária de Educação”, revela o pr. Enéias. Eder explica que uma instituição da cidade tem parceria com a Prefeitura, que prevê intérpretes nas salas de aula e, devido à escassez dessa mão de obra especializada, contrata-os na igreja.  “A Secretária de Educação nos tem Inclusão dentro e fora da igreja IAP em Itatiba (SP) é referência regional no trabalho com deficientes auditivos Especial Grupo Zoe: todos os membros da IAP são envolvidos no projeto como referência nesse trabalho”, afirma Eder, “e o Prefeito coloca a tarefa em nossas mãos por saber que a gente desenvolve um trabalho bem feito e por saber que os surdos precisam.”

Além dessa função, o grupo Zoe ensina e capacita funcionários de empresas da região. Elas enviam seus colaboradores
para realizarem o curso de libras na igreja, especialmente os de Recursos Humanos que mantêm contato com pessoas surdas. “A igreja tem um leque tão aberto que atrai a sociedade, os profissionais de educação e da área empresarial”, diz o jovem.

Sem fins lucrativos

O trabalho do grupo Zoe é social, missionário e evangelístico, sem fins lucrativos, por esse motivo não busca recursos
financeiros junto à Prefeitura ou a instituições. Cobra-se apenas um valor simbólico por cada participante do curso,
além de vender camisetas para pagar os materiais e as despesas com o trabalho.

Como compensação, o Zoe obtém com facilidade a liberação gratuita de espaços públicos, para apresentações. Em 24 de setembro último, o Zoe, com a ajuda de todos os departamentos da IAP, realizou um culto em comemoração ao dia do surdo na Escola EMEB Professora Inês Prado Zamboni, contando com 320 presentes, 55 dos quais surdos ou com outras necessidades especiais.

Personalidades de Itatiba que auxiliam o trabalho também prestigiaram o culto, entre elas, Ana Cristina Tediolli,  coordenadora de Educação Inclusiva, Flávio Adriano Monte, vereador e a Sra. Célia Pereira da Silva Soares, presidente do instituto Phala – instituição que apoia os surdos e trabalha em parceria com a Secretaria de Educação do Município.

A programação contou com a presença de membros da IAP em Itatiba, Jundiaí, Atibaia, Campinas, Santo André e da cidade de São Paulo (Vila Maria, Vila Medeiros e Parque Edu Chaves).

Ativos na igreja

Aos domingos, os cultos têm uma média de 9 surdos, mas já chegou a reunir 14 deles. “Os bancos da frente são prioridade, é o lugar deles”, afirma Eder. A IAP conta com 14 intérpretes, número expressivo pelo tamanho da igreja. Os louvores, as orações e as preleções são traduzidos para a linguagem de sinais, inclusive a escola bíblica. O fato de haver vários intérpretes permite que se estabeleça uma escala de revezamento de trabalhos, evitando o cansaço.

Segundo Eder, permanecer um longo período fazendo a tradução pode reduzir a concentração do intérprete, diminuindo a compreensão pelo surdo. Como ele diz, a linguagem de sinais é totalmente diferente do idioma usual: “Quando falamos em língua de sinais, pensamos em português e na forma escrita, mas ela não tem a mesma estrutura”.

O intérprete deve ser ágil, pois ele pensa em português e deve traduzir com rapidez e de maneira simplificada, usando comparações e personagens, para um bom entendimento. Na IAP em Itatiba, as pessoas com limitações são muito ativas, haja vista os exemplos de Lurdinha, que acompanha de perto o trabalho de teatro do Grupo Zoe, do diácono Éder  Augusto Domingues, que, mesmo surdo, dirige cultos e prega, e de Felipe, que não tem parte dos braços e é o baterista da igreja.

Aos 23 anos, ele conta que começou a aprender a tocar aos 13, inicialmente com uma baqueta e depois com duas, e foi se aperfeiçoando nas aulas. Tem uma vida normal, namora, é universitário e até dirige. “Eu não sei o que eu não faço”, diz.

Além do reconhecimento dos envolvidos e das autoridades locais, o trabalho de inclusão social desenvolvido em Itatiba certamente tem a aprovação de Deus. Os voluntários do projeto testemunham que todo o sacrifício empreendido
é recompensado pelo sorriso de cada deficiente acolhido por eles.

Grupo Zoe

A IAP em Itatiba conta atualmente com 7 membros com incapacidades físicas e motoras: Francisca Ângela Rodrigues, Felipe Reginaldo Amador, Gustavo Henrique Santos, Anderson Aparecido Zanella, Dirce Aparecida Sousa, Antonio Sebastião Angelon e Lourdes Ângelon.

São 16 pessoas com deficiência auditiva: Bruno Reis Sarmento, Caique Padovani, Dalton Moreira Novato, Eder Augusto Domingues, Edimar Montico de Siqueira, Felipe Rogério Vassoleri, Henrique Peres Feliciano, Laécio Chagas, Lucas Bolognani, Leandro Mendes Ferreira, Maria das Graças Lopes Sousa, Maria Fernanda, Renivaldo Eustáquio, Rogério José Belo de Sousa, Tiago Luis dos Santos Lino e Túlio Araújo Silva. Há também 14 intérpretes de libras: Eder Jessé Rodrigues Zanella, Anderson Aparecido Zanella, Daniela Lima Manchini de Campos, Dilma Conceição Rodrigues Batista, Elvis Duarte Silva, Francisco de Oliveira Batista, Bruna Fernanda Prado Zanella, Daniela Neves dos Santos, Thaís Karoline Leardine, Dirce Aparecida Rodrigues Souza, Berenice Rodrigues Roque dos Santos, Tatiana Alves Uchoa, Juliana Ângelon e Talessa.

 

Juliana Coelho