Luz no fim do túnel

A crise pode ser uma oportunidade, se nos voltarmos a Deus

 A Bíblia fala sobre ela há muito tempo! À medida que a volta do Senhor se aproxima, ela alcança maiores proporções (II Tm 3). Hoje, ela tem sido uma das principais manchetes dos noticiários. Temos nos acostumado a ouvir e até nos arriscamos a falar sobre ela. Ela está cada vez mais próxima a nós e, direta ou indiretamente, nos afeta. Ela é a CRISE!

Crise na família, crise na saúde, crise na educação, crise na segurança, crise moral, crise nos relacionamentos, crise política. No Ministério dos Transportes, há quase dois meses, um esquema de cobrança de propinas foi descoberto, o diretor-geral do DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes), Luiz Antônio Pagot, caiu e mais de 20 funcionários foram exonerados. No Ministério do Turismo, empresas de fachada e de propriedade de membros que faziam parte do esquema, foram usadas para direcionar licitações e firmar convênio em que recursos eram desviados. Crise nas nações: Líbia, Egito, protestos na Jordânia, Iêmen, Argélia, Mauritânia, Síria, Arábia Saudita, Bahrein, Marrocos, Sudão e Omã. Crise na paz: Londres em Guerra, atentado na Noruega. Crise na economia: Grécia não consegue dinheiro emprestado para se financiar; Estados Unidos no vermelho, risco de calote americano. Crise na natureza: terremoto e furacão em Nova Iorque.

Não podemos deixar de pensar em tudo isso no aspecto espiritual. Afinal, não estamos imunes à crise. As crises vividas em todos esses ambientes citados são, sem dúvida, reflexo do distanciamento do homem do seu criador! Portanto vivemos também uma crise espiritual.

Essa crise espiritual é percebida e sentida em nossos cultos. Muitas vezes começa nos púlpitos, através das heresias pregadas, da enxurrada de palavras sem unção do Espírito, da pregação que infla o nosso ego, desprovida de abnegação e de cruz (Mc 8.34), e se reflete em nosso dia a dia.

Olhe para as nossas Escolas Bíblicas! Há mais ou menos trinta anos elas foram substituídas, abolidas ou quase não existem em muitas igrejas, sob o argumento de não serem atrativas e por falta de participação. Sejamos sinceros! Olhe para o horário em que as pessoas chegam à Escola Bíblica e ao culto, e muitas, sem a mínima motivação ou interesse. A crise não é apenas política, econômica, familiar, sócio – ambiental, a crise é, sobretudo, espiritual.

Entretanto, sob todos os aspectos, principalmente o espiritual, a crise pode ser uma oportunidade!

Olhemos para a Bíblia. Há muito tempo atrás, no Salmo 46, o salmista já nos indicava um mundo em crise, uma natureza em crise (v. 2,3 ); nações em crise (v. 6,9). Os cenários vividos por nós hoje, são descritos anos trás. Para ele, a crise não impõe medo ou terror (v2)! Ela é vista como uma oportunidade e isso nos ensina muito!

 

A crise é uma oportunidade de reconhecer que as coisas não vão bem!

Só podemos escapar dela se acreditarmos que ela existe. Por isso, admita a crise! Reconheça seus problemas, suas dificuldades, seus erros. No meio dela, podemos nos arrepender da nossa desonestidade, dos nossos esquemas, dos nossos pecados! Afinal, nada há encoberto que não seja revelado (Mt 10.26), e de Deus não se zomba, pois tudo que o homem semear, também ceifará (Gl 6.7).

 

A crise é uma oportunidade de colocar Deus no centro da sua vida!

Num cenário crítico, os versículos 4 e 5 são uma declaração consoladora da presença poderosa e sustentadora de Deus no meio da sua cidade. Está faltando Deus nas nossas vidas no meio da crise! É a sua oportunidade de reavaliar sua vida e restabelecer Deus como sua prioridade (Mt 6.33).

 

A crise é uma oportunidade de pensar sobre o que tem sido sua segurança.

Para onde você corre em tempos de crise? Só existe estabilidade física, emocional, espiritual, econômica, familiar, ambiental, ou em qualquer outro aspecto, em Deus! Ele é o nosso refúgio e fortaleza, nosso socorro! (v1).

 

A crise é uma oportunidade para fortalecer sua fé na soberania de Deus.

Deus não perdeu o controle e muito menos o interesse em nós! O nosso desafio é descansar em sua soberania. Observe a declaração do v. 8: “Venham, e vejam as obras do Senhor!”. Ele é o Deus que faz, é aquele que dirige e que permite a história. A crise existe sob a soberania de Deus!

 

Em último lugar, a crise é uma oportunidade para vencer a autossuficiência. Não somos e não podemos nada sem Deus(Jo 15.6)!  Engana-se quem pensa que suas estratégias, sua inteligência, seus métodos falíveis, o livrarão. Deus se revela como refugio, fortaleza, socorro bem presente na hora da crise! Ele ajuda, ele efetua, somente ele põe fim as guerras! “Aquieta-vos” (v.10), nos diz o Senhor, literalmente, “parem de lutar”, não confiem em si mesmos! Na crise, ele é o único a ser exaltado.

 

Pr. Alexandro Jorge da Silva é responsável pela IAP em Jundiaí (SP).