O amanhã não existe

O tempo que temos para mudanças é hoje!

Se eu soubesse que não teria mas uma chance,
diria às pessoas que estão em minha volta, o quanto elas foram especiais para mim.
Se eu soubesse que não teria mais uma chance,
daria um forte abraço em meus pais, um abraço de despedida.
Se eu soubesse que não teria mais uma chance,
diria para a pessoa que me fez sofrer por amor, o quando eu precisei dela.
Se eu soubesse que não teria mais uma chance,
viveria intensamente cada minuto de minha vida.
Se eu soubesse que não teria mais uma chance,
teria visitado asilos, orfanatos e dado socorro aos aflitos que vieram até mim.
Se eu soubesse que não teria mais uma chance,
teria buscado a presença de Deus com mais responsabilidade e devoção.
Se eu soubesse que não teria mais uma chance,
correria ao ar livre para sentir a brisa pela última vez.
Se eu soubesse que não teria mais uma chance,
falaria do amor de Deus para as pessoas que por muito tempo estiveram do meu lado e morreram sem salvação por minha causa.
Se eu soubesse que não teria mais uma chance…

Se eu soubesse…
Para muitos, essa tem sido a frase de maior repercussão em suas vidas.
Mas afinal, por que isso acontece?
Por que eles não fizeram tudo isso enquanto havia tempo?
Por que agora se queixam?
Porque muitos têm deixado tudo para o famoso tempo que se chama “amanhã”. Porém, o amanhã não existe.
O amanhã é uma questão de localização no espaço de tempo, porém, literalmente, ele não existe.
Afinal, quando o amanhã chegar, não será mais amanhã, mas sim, hoje.
Portanto, o dia de mudanças é hoje. Não deixe nada para amanhã. Faça hoje!

Hoje, é dia de você dizer para as pessoas que elas são especiais.
Hoje, é dia para você abraçar seus pais.
Hoje, é dia de você se declarar.
Hoje, é dia de viver intensamente.
Hoje, é dia de fazer visitas.
Hoje, é dia de buscar a Deus com devoção.
Hoje, é dia de ser livre.
Hoje, é dia de evangelizar.
Hoje é o dia.
Hoje…

Lucas Timóteo Moraes é aluno do Seminário Interno da Igreja Adventista da Promessa, vindo da Convenção Paranaense.