Seus olhares estavam sempre atentos em todas as direções. Não descuidava dos seus deveres, como aquele que quer o bem às pessoas e à Organização e sabe exercer as suas responsabilidades com compromisso. Não era um psicólogo, mas as suas atitudes mostravam o seu conhecimento empírico de psicologia. A sua visão alcançava longe, já pela experiência adquirida ao longo da carreira ministerial. Era de espírito sereno, mesmo quando tinha de resolver assuntos difíceis. Sabia que a exaltação é ineficaz para o tratamento de quaisquer assuntos e chega a ser o caminho da queda. Agia com probidade, pois tinha consciência do que estava fazendo e o realizava da melhor maneira possível. Essas qualidades do caráter o qualificavam como homem idôneo e verdadeiro servo de Deus.