Em 29 de dezembro de 1909 a família Silveira retornou ao Estado de Pernambuco, depois de passar apenas nove meses no Maranhão, tempo suficiente para que João Augusto tomasse conhecimento do Evangelho da salvação, através de Jesus Cristo.

A volta a Pernambuco foi feita no navio Brasil, da Loide, com destino a Recife. Por essa época não havia nenhuma denominação evangélica em Paulista, onde residia D. Rosa Amélia com a família. O material religioso de que dispunha o jovem João, era a Bíblia, o catecismo presbiteriano, uns folhetos e um postal com a paisagem de um rebanho. Encontrou-se nessa ocasião com uma prima sua da Igreja Batista, de Rio Largo-AL, que lhe perguntou: “Ouvi dizer que o primo agora é crente, como o vejo fumar?” Tomou ali naquele instante a decisão firme de não mais fumar, pois respondeu à prima: “Minha conversão é recente e não sabia nada a respeito desse assunto, mas se o fumar prejudica a minha fé, não mais usarei o cigarro”. A decisão valeu-lhe para o resto de sua vida. A prima acreditava que João seria, junto com ela, um crente batista. Deus tinha outro plano para o rapaz. Conheceu um senhor chamado Manoel de Melo, do qual tornou-se amigo inseparável. Além do Sr. Melo, presbiteriano, outra pessoa que se relacionava bem com João Augusto, era um senhor chamado Bezerra. Esse conhecia o Sr. Medeiros, residente em Afogados, bairro do Recife. Falou a ele de um jovem de 17 anos, recém convertido ao evangelho, mas ainda sem nenhuma definição quanto à Igreja. Convidado pelo Sr. Bezerra, foi a Recife, na casa do Sr. Medeiros, onde teve a oportunidade de assistir ao primeiro culto evangélico na Igreja Adventista do 7º Dia. Conheceu os responsáveis pela denominação naquele dia e recebeu várias literaturas e um livro intitulado: Preceptor da Bíblia no Lar.

Aceitou a doutrina adventista a qual defendeu com ardor, especialmente a obediência aos Dez Mandamentos da Lei de Deus. Em 30 de junho de 1912 foi batizado nas águas, pelo pastor John Lipke, de nacionalidade alemã. Nesse mesmo dia, sua alegria, teve o amargo sabor da separação de um ente querido da família, pois seu mano Sebastião falecia em Paulista, acometido pela varíola.

Através de seu trabalho, conseguiu trazer para a Igreja Adventista, o amigo Manoel de Melo. Com essa família formou-se um grupo de sete pessoas. Certa noite apareceu na reunião do grupo uma senhora chamada Lucrécia Wanderley, acompanhada de numerosa família. Foi a mãe do pastor Godofredo Wanderley. Com mais essa família e outras pessoas, formou-se oficialmente a Congregação Adventista do 7º Dia, em Paulista.
Em junho de 1912, recebeu João Augusto convite do pastor John Lipke para participar de um Curso de Colportagem em Salvador-BA. Ao voltar de Salvador, começou a trabalhar como colportor em Recife e sul de Pernambuco. Em 6 de abril de 1914, casou-se com a jovem Marcionila Ferreira da Silva, filha de Francisco Ferreira. O enlace matrimonial foi realizado pelo pastor Lipke, na cidade de Caruaru-PE. O casal foi residir em Paulista. Desse matrimônio, nasceram cinco filhos, a saber: Jair, Otoniel, Junílio, Osi e Divalda da Silveira.