Protegido pela potente mão de Deus

Protegido pela potente mão de Deus

A bala perdida se alojou entre o couro cabeludo e o crânio, sem deixar nenhuma sequela

bala perdida1 bala perdida2 bala perdida

No dia 09 de junho de 2013, ao sair de minha casa pela manhã, passei na casa de minha avó, Dsa. Maria Rosa. Algumas irmãs estavam ali para um momento de oração com ela. Passei rapidamente, me despedi e segui em direção à IAP em Piedade (RJ).

Na mesma hora em que saí, começou a oração. Eu andei cerca de 15 minutos em minha motocicleta, fiz uma parada em uma barraca de coco, logo em seguida alcancei a Av. dos Italianos, uma avenida bastante movimentada. Uns 30 metros à frente, senti uma pancada muito forte na cabeça, que, até chegar ao hospital, não tinha noção do que era. Totalmente consciente, pude parar com a moto na avenida e estacioná-la. Em seguida, por não ouvir nada e pela dor na cabeça, me joguei no chão na calçada e pedi ajuda. As pessoas que  estavam passando pararam e me ajudaram, mas sem muito o que fazer, me auxiliaram a ligar para casa e chamaram a ambulância.

Só depois fui entender que eu havia levado um tiro na cabeça!  A misericórdia de Deus foi tão grande que eu, mesmo tendo sido alvo de uma bala perdida,  tive total consciência de ligar para minha tia e avisar do ocorrido. Ao mesmo tempo, estava cheio de preocupação com minha avó, que estava em oração e como ela receberia a notícia. Depois ela me relatou que sentiu um grande refrigério por parte do Espírito Santo, nos dando a certeza da proteção de Deus nesse acidente horrível.

A ambulância estava demorando, então, alguns policiais que estavam passando pela via me socorreram, levando-me para o hospital mais próximo. Cheguei ao hospital Carlos Chagas e foi confirmado o alojamento de um projétil de munição de fuzil calibre 762, entre o couro cabeludo e o crânio. A proteção de Deus foi tão maravilhosa que nem mesmo penetrou no crânio, permitindo-me receber alta no mesmo dia.

Na sexta-feira da mesma semana, houve uma ceia promovida pelo DEMAP Regional, na qual pude adorar ao Senhor com meus irmãos e mostrar a todos como o Senhor nos protege! Após três semanas, foi retirado o projétil e, dois dias depois, eu já estava realizando um evento pela Rumap Rio, juntamente com a mocidade carioca. Sem sequelas, retornei ao trabalho um mês depois do acidente.

Naquele dia de horror, foi muito importante a presença e o auxílio de amigos e familiares, pessoas enviadas por Deus para me ajudarem em tudo o que precisei. Oito meses depois, eu estava me casando com aquela que esteve ao meu lado em todo o tempo. Em meu aniversário, realizamos um grande culto de louvor a Deus pelo livramento. Toda honra, toda glória e todo louvor a Ele.

 

Diego Machado, diretor da Regional das Uniões da Mocidade Adventista da Promessa no Rio.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: