Quando o virtual compromete o real

A falta de autocontrole no uso da internet aprisiona cerca de 50 milhões de pessoas no mundo

Se você faz parte das mais de 50 milhões de pessoas do mundo que não suportam ficar off-line, cuidado: é possível que você seja um viciado em internet!

“Na internet os poderes são ilimitados, você pode ser quem quiser, pode viver seus sonhos mais extravagantes, pode tem milhões de amigos, pode acessar o conhecimento do mundo todo, se comunicar sem fronteiras. Pode jogar, paquerar, se mostrar, conquistar. Não há limites, e tudo isso na ‘segurança da sua casa’”, relata o psicólogo Odair Comin.

Segundo a também psicóloga Ângela Maria Bavaresco, “a internet faz parte do cotidiano da sociedade, possibilitando maior interação entre as pessoas, uma vez que rompeu com o padrão presencial, no qual era imprescindível a presença dos indivíduos, sendo, deste modo, utilizada também como forma de difusão dos relacionamentos afetivos. É justamente por vivermos numa geração em transição entre um modelo onde a forma de conhecer pessoas era exclusivamente o físico, presencial e real para uma possibilidade de estabelecimentos de relacionamentos através do espaço virtual”.

É impressionante como a internet e as redes sociais têm aproximado pessoas de várias partes do mundo. Porém, se atentarmos ao fato, na maioria das vezes, essa aproximação é fictícia. Existe na verdade um “relacionamento virtual”. Mas quando o uso da internet começa a ser prejudicial?

Penso em três aspectos que ficam nítidos na vida daquele que faz o mau uso da internet: quando a pessoa vicia-se e perde a noção do tempo que gasta conectada à rede; quando a pessoa utiliza a internet como um meio de fuga da crise conjugal e quando a pessoa faz deste meio de comunicação um acesso a toda sorte de textos, imagens e vídeos pornográficos. Apocalipse 21:8 fala sobre o destino daqueles que cometem tais atos: “Mas os covardes, os incrédulos, os depravados, os assassinos, os que cometem imoralidade sexual, os que praticam feitiçaria, os idólatras e todos os mentirosos — o lugar deles será no lago de fogo que arde com enxofre. Esta é a segunda morte”.

Com certeza a internet nos proporciona muita praticidade na comunicação. Podemos nos comunicar com nossa família, nossos amigos, realizar transações bancárias e até assistir a cultos, quando estamos impossibilitados de ir à igreja. Ela faz o elo entre o virtual e o real. Porém, é necessário ter autocontrole e procurar fazer tudo para a glória de Deus. “Assim, quer vocês comam, bebam ou façam qualquer outra coisa, façam tudo para a glória de Deus” (1 Co 10:31). Aqueles que souberem usar esse poderosíssimo meio de comunicação, estarão sempre à frente e melhor informados.

Colossenses 3:2 nos alerta para “Mantermos o pensamento nas coisas do alto, e não nas coisas terrenas”. Quando o cristão senta-se à frente do computador, ele tem o poder de decidir o que acessar, ouvir e baixar. Pensando sempre em Cristo, ele certamente irá tomar sábias decisões e fazer escolhas corretas. O apóstolo Paulo já sentia na pele a luta travada entre a carne e o espírito quando escreveu a sua carta aos Romanos, no capítulo 7, “Não entendo o que faço, pois não faço o que desejo, mas o que odeio (…) Sei que nada de bom habita em mim, isto é, em minha carne. Porque tenho o desejo de fazer o que é bom, mas não consigo realizá-lo”. Precisamos ser moderados e prudentes para não pecarmos, para isso contamos com nosso grande amigo e ajudador Espírito Santo.

Que possamos nos alimentar mais a Palavra de Deus, buscarmos ter mais intimidade com o Senhor, darmos valor ao tempo de qualidade com nossa família e controlarmos nossos impulsos para que tenhamos vidas espiritualmente saudáveis. Fazendo assim, estaremos agindo como “os que pertencem a Cristo Jesus, que crucificaram a carne, com as suas paixões e os seus desejos” (Gálatas 5:24), segundo Paulo. Que o onosciente Deus nos conceda sabedoria e domínio próprio em todas as situações de nossas vidas.

Diego da Silva Barros é diretor da UMAP, coordenador de Missões e Evangelismo na IAP em Piedade (Rio de Janeiro) e colaborador da equipe de Capelania Prisional da IAP.

 

%d blogueiros gostam disto: