Palavra e intercessão

Continuando a aprender com o modelo pastoral de Jesus, a oração do Getsêmani nos traz ainda ricos ensinamentos.
Ele revelou que a Bíblia é a grande dádiva do Ministério. “Pois eu lhes transmiti as palavras que me deste… Dei-lhes a tua palavra… Santifica-os na verdade; a tua palavra é a verdade. ” – Vs 8a; 14a; 17. O Ministério de Jesus tinha alicerce profundo. O alicerce era todo o conteúdo profético, histórico e didático do Antigo Testamento. Jesus não inventou nada. Ele venceu o adversário com três “Está Escrito”. Seus ensinos tinham base os princípios já anunciados anteriormente. A Bíblia é inerrante em seu conteúdo, inspirada pelo Espírito Santo, a revelação máxima de Deus, um perfeito manual para a vida espiritual, um “GPS” para a nossa fé. Nenhum ensinamento pode ultrapassar os seus limites. O Ministério Pastoral é exercido essencialmente na comunicação. E o nosso posicionamento espiritual deve estar sempre arraigado na Palavra de Deus. O maior legado que deixamos em um campo pastoral não são as construções materiais, os projetos administrativos e sim o conteúdo bíblico que ensinamos e vivemos.
Ele revelou que o Ministério é exercido com intercessão. “Eu rogo por eles. Não estou rogando pelo mundo, mas por aqueles que me deste, pois são teus… protege-os em teu nome…. Não rogo que os tires do mundo, mas que os protejas do Maligno. Minha oração não é apenas por eles. Rogo também por aqueles que crerão em mim…” – Vs. 9; 11; 15; 20. Jesus estava prestes a ir para a cruz e nem por isso deixou de interceder pelos discípulos presentes e por nós, que um dia iríamos crer. Uma das formas de proteger o rebanho a nós confiado é leva-lo sempre à presença do Senhor. Deus nos trouxe para o Ministério para que também sejamos intercessores. Não apenas publicamente, nas visitações e reuniões, mas acima de tudo, na particularidade, na devocionalidade. Faz parte do Ministério carregar outros na oração.
Jesus revelou que após a nossa ida a Ele, os valores que assumimos são eternos. “Dei-lhes a tua palavra, e o mundo os odiou, pois eles não são do mundo, como eu também não sou. Eles não são do mundo, como eu também não sou.” – Vs 14; 16. Quem olha para Jesus e observa sua vida, ensinos, morte na cruz, ressurreição, ascensão e intercessão, conclui: Jesus não é deste mundo. E quem aceita e vive em comunhão com Ele, passa também a não ser deste mundo. Os valores desejados passam a ser os eternos. Não podemos nos esquecer que um dos objetivos de nosso Ministério é despertar o desejo de eternidade nas pessoas.
Jesus revelou a missão que recebeu e que depois a transmitiu à Igreja. “Assim como me enviaste ao mundo, eu os enviei ao mundo. ” – V. 18. Ir ao mundo é a grande missão. É uma resposta obediente ao envio da parte de Deus. Mas não devemos ir em conformidade com os padrões do mundo e sim com uma contracultura. Uma contracultura com padrões elevados de amor, perdão, graça, misericórdia, bondade, fidelidade, vida eterna… Por viver estes padrões Jesus morreu na cruz. E quando nós vivemos, sofremos também, porque mesmo estando no mundo, não somos dele. Nossa escala de valores é diferente da maioria das pessoas que estão ao nosso redor. Por isso somos enviados para fazer a diferença. Jesus obedeceu e nos enviou também. Cabe a nós a consciência e a obediência.
Jesus revelou que a unidade é a grande finalidade do Ministério e a expressão mais convincente da vida Cristã. “… para que sejam um, assim como somos um… para que eles sejam um, assim como nós somos um… eu neles e tu em mim. Que eles sejam levados à plena unidade, para que o mundo saiba que tu me enviaste. ” – Vs. 21; 22 (b); 23. Os ensinos e a oração de Jesus era para que os seus discípulos tivessem unidade. Não dá para fazer nada no Corpo de Cristo sem unidade. Todos os esforços serão em vão se estivermos divididos. Jesus sabia disso e por isso pediu com profunda intensidade. A igreja é um grupo de pessoas com variações em termos de idade, sexo, cultura e condição social. É uma sociedade heterogênea e complexa. Nosso Pastorado possui este mais alto desafio, que é produzir união na igreja, para que a mesma caminhe unida na direção da salvação. E a unidade possui além da agradabilidade da vida comunitária, o potencial de testemunhar da graça Divina, sendo esta a porta para evangelização, o sal que desperta a sede em quem não creu ainda.
Jesus revelou que objetivava a felicidade das Suas ovelhas. “… para que eles tenham a plenitude da minha alegria…. Dei-lhes a glória que me deste… ” – Vs. 13; 22 (a). Jesus serviu, ensinou, doou-se plenamente para que os outros estivessem bem. Ele estava feliz e alegre com o Pai. E queria também que Suas ovelhas tivessem a mesma alegria. Ele recebeu glória e doou a glória. Tudo que recebemos, principalmente em nossa formação, é para que, em primeira mão, fiquemos bem. Mas não para aí. Ministério é doação de vida. É doar o que se tem. Assim, não podemos reter nada do que o Senhor espiritualmente nos doou. A alegria do rebanho deve ser a nossa alegria.
Jesus revelou que era satisfeito no Ministério. “Agora eles sabem que tudo o que me deste vem de ti. Tudo o que tenho é teu, e tudo o que tens é meu. E eu tenho sido glorificado por meio deles. ”- Vs. 7, 10. Do ponto de vista humano, Jesus foi um fracasso na área financeira. Nasceu numa família humilde. Seu primeiro berço foi um cocho onde se colocava alimento para os animais (manjedoura). Suas primeiras vestes foram uns panos que o envolveram. Não tinha onde reclinar a cabeça. E, depois da morte na cruz, foi colocado num túmulo emprestado (Lc 2. 7; Mt 8.20; 27.57-60). Mas o fato de não ter riquezas para administrar, tornou seu Ministério totalmente livre para atender discípulos e multidões. E esta forma de viver não o fez infeliz. Ao contrário, Jesus foi satisfeito com as pessoas que faziam parte do seu Ministério. E tudo que tinha era do Pai e todas as coisas do Pai eram dele. Neste sentido, Paulo escreveu aos Coríntios: “…como nada tendo, e possuindo tudo” 2 Co 6.10. O que temos é sempre o suficiente para o que precisamos. O compromisso de Deus conosco é com as nossas necessidades – Fl 4.19. A maior satisfação em nosso Ministério não devem ser as coisas materiais que conquistamos para a Igreja e sim as vidas alcançadas.
Jesus termina a oração, desperta os sonolentos discípulos, e caminha em direção ao traidor e aos soldados, julgamentos, escárnios, feridas e cruz.
Só nos resta entrar na presença do Sumo Pastor, com profundo temor e dizer: Obrigado Senhor por esta oração tão intimamente constrangedora! Pelo maravilhoso e desafiador exemplo de Pastorado que conseguimos ver! Oh Jesus, por tua graça, ajude-nos a ser mais profundos em oração e viver, para sermos a cada dia, mais parecidos contigo!

Pr. Elias Alves Ferreira é responsável pela IAP em Jales (SP) e atua no Departamento Ministerial – Convenção Geral.

06/09/2017

O Ministério Pastoral de Jesus revelado na oração do Getsêmani – III

Palavra e intercessão Continuando a aprender com o modelo pastoral de Jesus, a oração do Getsêmani nos traz ainda ricos ensinamentos. Ele revelou que a Bíblia […]
05/09/2017

O Ministério Pastoral de Jesus revelado na oração do Getsêmani – II

Sacrifício pelo rebanho No Getsêmani, percebemos detalhes interessantes do maior e perfeito Pastor que o mundo já viu. Jesus revelou que é preciso sacrifício pelo rebanho. […]
04/09/2017

O Ministério Pastoral de Jesus revelado na oração do Getsêmani – I

Intimidade e suficiência Ministério é aquilo que abraçamos como alvo para nossa vida dentro do Corpo de Cristo. A partir desta certeza, nosso foco e energia […]
23/08/2017

Síndrome de João Doria

Como um pastor pode se tornar uma vítima de burnout Não muito tempo atrás, ouvi a seguinte observação: “você não era assim, você mudou”. Essa fala […]