lição 7

O pastor e o evangelho

  • Para ouvir o podcast desta lição, clique AQUI.

 

Dicas

Dinâmica 1: Papel e caneta.
No inicio da aula peça para os seus alunos escreverem numa folha uma palavra que lhes faça lembrar o significado do evangelho. Observe as reações deles e identifique se realmente eles entenderam o que significa o verdadeiro evangelho. Argumente que há muitas palavras que podem ser usadas para descrever o evangelho, mas que a principal palavra que descreve o evangelho é Cristo, que é, também, o centro do evangelho. Destaque que muitas vezes falamos do que o evangelho fez por nós, testemunhamos de nós, e não quem é Cristo.

Dinâmica 2: Caixa de papel.
No item 3: A oportunidade, peça para que cada um dos seus alunos deposite as palavras que escreveram (na dinâmica 1) numa caixa de papel e sugira que falem uma situação na qual já tiveram oportunidade de falar de Cristo a alguém. Ex.: “ônibus”, “fila do banco”, etc. Em seguida, passe a caixa com as palavras escritas e peça-lhes que falem de Jesus conforme vão retirando as palavras da caixa.
Exemplo: se alguém escreveu “Amor”, “perdão”, “Graça”.
“Deus amou tanto o mundo que enviou o seu filho para perdoar os nossos pecados, sem merecermos. Nós estávamos debaixo a ira de Deus, mas pela sua graça, ele decidiu nos salvar”.
Destaque que assim como Paulo anunciou o evangelho num momento de doença, nós também podemos usar todos os nossos momentos para falar de Cristo. Não podemos esperar somente uma programação na igreja para testemunhar de Jesus.

Material de apoio: Use os comentários adicionais, disponíveis no espaço abaixo, para complementar a aula.

Comentários Adicionais

    1. A idolatria da religião bíblica
      “No fim, o religioso está tão perdido e escravizado quanto o ateu. Por quê? Ambos tentam ser seu próprio salvador e senhor, mas de maneiras diferentes. […] A bem da verdade, a idolatria e a escravidão da religião são mais perigosas do que as da irreligião, ainda que menos óbvias. A pessoa irreligiosa sabe que está distante de Deus, mas a religiosa, não.” (KELLER, Timothy. Gálatas para você. Tradução de Jurandy Bravo. São Paulo: Vida Nova, 2015, p.109,111).
    2. A certeza de ser “conhecido”
      “Paulo indica aos gálatas, no versículo 9, o retorno a uma relação sadia com o Pai. […] O que faz de alguém um cristão não é tanto o fato de conhecer a Deus, mas de ser conhecido por ele. “Conhecer” na Bíblia significa mais do que a ciência intelectual. Conhecer alguém é estabelecer relacionamento pessoal com a pessoa. Portanto, diz Paulo, não é tanto seu afeto e amor por Deus, mas, sim, o afeto e amor dele por você que faz de você um cristão.” (KELLER, Timothy. Gálatas para você. Tradução de Jurandy Bravo. São Paulo: Vida Nova, 2015, pp.111-112).
    3. Doente, porém não inativo
      “A enfermidade de Paulo enfraquecia seu corpo e doía em sua carne, mas não paralisava seus pés nem fechava seus lábios. A doença de Paulo não o tornou inativo; apenas mais quebrantado e dependente da graça. Longe de impedi-lo de ir à Galácia, a enfermidade foi a causa que o levou àquela província. Longe de ser uma porta fechada para o ministério, foi uma porta aberta para a evangelização.” (LOPES, Hernandes Dias. Gálatas: A carta da liberdade cristã. São Paulo: Hagnos, 2011, p. 187).
    4. Falsos pastores
      “Devemos ter cuidado com os obreiros religiosos que desejam nossa lealdade exclusiva, pois se consideram os únicos que sabem o que é certo. Pessoas assim nos usarão enquanto puderem e depois nos abandonarão em troca de outros seguidores – e a queda será dolorosa. Cabe ao líder espiritual amar e seguir a Cristo, não promover a si mesmo e a seu ministério. [Falsos pastores amam a si próprios]”. (WIERSBE, Warren W. Comentário Bíblico Expositivo: Novo Testamento: volume 1. Tradução de Susana E. Klassen. Santo André: Geográfica, 2006, p. 926).
    5. Sem saber o que fazer – “Estou perplexo” (v. 20)
      “Paulo finaliza confessando que não sabe o que fazer. […] ele estava a 400 km de distância em Éfeso e, por um motivo qualquer estava impedido de ausentar-se de lá. Na verdade, tinha plena consciência das vantagens de um encontro pessoal em comparação com uma carta. […] Numa visita ele poderia reagir de acordo com a respectiva situação do diálogo e tornar-se muito mais insistente [mas, de longe, não dava pra fazer muita coisa”. (POHL, Adolf. Comentário Esperança: Carta aos Gálatas. Tradução de Werner Fuchs. Curitiba: Esperança, 1999, p. 157).
15/05/2018

Dicas da lição 7 – “O pastor e o evangelho”

O pastor e o evangelho Para ouvir o podcast desta lição, clique AQUI.   Dicas Dinâmica 1: Papel e caneta. No inicio da aula peça para […]
12/02/2018

Dicas da lição 7 – “Alianças Perigosas”

Alianças Perigosas Para ouvir o podcast desta lição, clique AQUI.   Dicas Dinâmica: Papel sulfite A4 e caneta esferográfica Depois de ler o primeiro parágrafo do […]
13/11/2017

Dicas da lição 7 – “A história da queda”

A história da queda Clique AQUI para acessar os slides da lição. Para ouvir o podcast desta lição, clique AQUI.   Dicas Dinâmica: Para dar “vida” […]
09/05/2017

Dicas da Lição 7 – “A restauração da santidade”

A restauração da santidade Clique AQUI para acessar os slides da lição. Para ouvir o podcast desta lição, clique AQUI.   Dicas Vídeo: Para o item […]