Tempo: Como administrá-lo?

Tempo: Como administrá-lo?

Como um pastor pode se organizar, de forma que tenha vida devocional, tempo para lazer, tempo para exercícios físicos, tempo para a família e para o trabalho ministerial?

O exercício do trabalho ministerial é dinâmico e complexo. O pastor precisa se preparar para o púlpito, já que lhe incumbe a responsabilidade de alimentar o rebanho. Igualmente, necessita acompanhar as ovelhas, aconselhando-as e orientando-as. Há os cursos bíblicos a serem ministrados, as visitas aos enfermos e pessoas que não podem ir mais ao templo, dirigir e participar de reuniões, lidar com situações de emergência. Sem falar nas questões de administração eclesiástica, que também demandam tempo significativo.

Em razão do ativismo que impera na sociedade moderna, caso não se tome cuidado, não sobra tempo nem mesmo para o planejamento de nosso tempo. De um compromisso parte-se para o outro e assim sucessivamente. Isso implica alguns riscos. Romper este ciclo demanda persistência e dedicação.

O tempo é um recurso que pode estar a nosso favor ou não, depende de como o administramos. Quanto menos planejamos nosso tempo, menos tempo temos. Quanto mais nos organizamos, melhor utilizamos o tempo.

Quem nunca desejou que o tempo parasse ou o dia tivesse mais de 24 horas?! Mas, se não for por ação divina, naquilo que está ao alcance do ser humano, o tempo não vai parar, o dia não terá mais de 24 horas. Portanto, o desafio é nos organizarmos para ter mais tempo disponível para as necessidades e responsabilidades que temos.

Esperamos que esses passos possam ajudá-lo:

1º) Reflita sobre quais são seus papéis na vida (trabalhador, esposo, pai etc). Sobre seu trabalho, reflita sobre a razão de existir do mesmo, qual é a missão principal das suas atividades, quais resultados precisa alcançar, onde quer chegar? Leve em consideração suas opiniões, mas também a visão da organização em que você está inserido para definir seus objetivos de trabalho. Isso vai ajudá-lo nas escolhas e tomadas de decisões de maneira a manter o foco de suas ações.

Busque ter clareza sobre quais são as atribuições e responsabilidades que lhe competem, assim como as deixe claro aos que convivem contigo.

2º) Faça uma lista das principais tarefas que você precisa realizar para alcançar os resultados desejados no seu trabalho. Defina quais são ações prioritárias e as urgentes.

Se não houver organização do tempo, certamente serão atendidas as necessidades urgentes e não necessariamente as mais importantes.

Em matéria publicada pela revista Você S/A, edição 134, foi citada uma pesquisa com mais de trinta mil pessoas, realizada por uma empresa especialista em gestão do tempo, em que se constatou que as pessoas gastam apenas 30% do tempo com coisas importantes. Os outros 70% são distribuídos entre atividades circunstanciais (as que geram excesso de trabalho sem retorno) e as urgentes (as atrasadas, que geram estresse).

Segundo o especialista que estava à frente da pesquisa em questão, as pessoas precisam aprender a definir prioridades. Para facilitar, recomenda-se classificar as atividades em importantes, urgentes e circunstanciais.

3º) Relacione todos os compromissos a serem enfrentados nos próximos quinze dias, organizados de hora em hora. Somente fazendo isso, é necessário identificar o que tem demandado mais tempo na sua agenda e analisar como você tem utilizado seu tempo.

Atenção:

  • Pessoas estressadas tendem a se tornar improdutivas. Em muitos casos, o sofrimento psíquico, emocional e até físico surge em função de falta de planejamento das atividades. Faz-se muito, mas sem foco claro as ações não alcançam os resultados, ou ainda as conquistas vêm, porém às custas de demasiado esforço. Com a organização do tempo, há a possibilidade de demandar energia na medida certa, nem mais nem menos.
  • A má administração do tempo pode indicar insatisfação com o trabalho ou parte dele, uma forma de fugir de atividades que se julga não serem prazerosas ou não se sente capacitado para realizá-las.
  • Um outro risco da falta de organização é gastar muito tempo para uma necessidade, e não sobrar para as demais. Fica claro que não se está dando conta do que se tem se tem prá fazer, ou acaba se sacrificando áreas importantes que deveriam ser atendidas, como a família.
  • Concentrar o trabalho em áreas que tem mais afinidade, em detrimento das demais, também é perigoso. Evidentemente, cada um tem mais facilidade em um determinado assunto. No entanto, isso não significa que as demais questões também não devam ter a sua atenção. Por exemplo, o pastor é um grande evangelista, mas não pastoreia, não visita os irmãos. Ou gosta muito das questões administrativas eclesiásticas, ocupa-se com elas, e não dispõe de tempo para ouvir, para aconselhar os que necessitam desse atendimento.
  • A dificuldade em impor limites é outro fator catastrófico para aqueles que desejam e necessitam organizar o tempo. Saber dizer não e sim, sem comprometer seus valores de vida e sua agenda faz toda a diferença. Para os autores de “Limites: Quando Dizer Sim, Quando Dizer Não”, Henry Cloud e John Towsend, “favores e sacrifícios fazem parte da vida cristã. A permissividade, não. Aprenda a distinguir as duas coisas observando se a sua concessão está ajudando o outro a ser melhor ou pior.”

4º) Confronte a lista de tarefas que você identificou no 2º passo com a do 3º passo e analise as possíveis mudanças necessárias para existir um melhor aproveitamento de seu tempo.

Cuidado para não ficar idealizando. Os que possuem tendência ao perfeccionismo tendem a realizar pouco. Existe aquilo que é ideal e aquilo que é possível. Procure identificar essas diferenças em seu dia-a-dia.

Mantenha seus materiais organizados, isso ajuda a ganhar tempo. Ambiente desorganizado dificulta a administração do tempo.

Não há como falar em organização do tempo para líderes sem falar do cuidado com a centralização e necessidade de delegar atividades como uma forma de tornar possível a realização das atividades necessárias.

5º) Planeje sua agenda. Coloque tudo que deve ser feito por escrito na agenda, com prazo de conclusão.

Defina o tempo que se dedicará semanalmente para cada atividade. Não sobrecarregue a agenda, pois, eventualmente, será necessário atender os imprevistos. Especialistas no assunto sugerem que apenas 70% do dia deve ser planejado, os 30% restantes ficam para as urgências.

Na organização de seu tempo, lembre-se de que não existe apenas o trabalho, todos possuem família, amigos, necessidade de lazer e cuidados pessoais. Contemple na agenda estas questões, caso contrário, sempre ficarão em segundo (talvez até mesmo último) plano. Estabeleça tempo para você e sua família e já reserve na agenda, como dias de descanso, exames médicos periódicos e datas importantes (datas de aniversário do cônjuge e filhos, aniversário de casamento).

Seja firme em seguir seu planejamento, evitando abrir exceções. Cuidado para a exceção não virar regra e o planejamento, uma eventualidade.

5º) Procure conversar com seu líder e/ou pessoas que você julgue ter uma boa administração do tempo sobre a forma como eles percebem sua maneira de organizar a agenda. É uma forma de você checar se está sendo eficiente e também aprender com a experiência de outras pessoas.

Concluímos desejando que todos possam utilizar o tempo com sabedoria, superando qualquer dificuldade com o equilíbrio na utilização do tempo para o trabalho e para os outros papéis da vida, sendo frutíferos e multiplicando os talentos que o Senhor colocou em nossas mãos.

Pr. Nestor Freschi Ferreira e Dsa. Lilian Gava Ferreira

%d blogueiros gostam disto: