O lugar do homem no combate à violência contra a mulher

Quando se pensa no combate à violência doméstica, em campanha contra o feminicídio, em conquistas justas para as mulheres na sociedade, convém deixar claro que esses temas não pertencem somente ao chamado “mundo feminino”, ou não devem ser objeto de conversas e conscientização só das mulheres, os homens de bem e de paz devem se levantar como defensores e promotores da proteção e combate às injustiças feitas ao sexo oposto.

Aliás, você sabia que existe um dia no calendário brasileiro, reservado para mobilização dos homens pelo fim da violência contra as mulheres? Leia mais sobre isso no final desse texto.

Agora, vamos para um papo aberto e reto com todos os homens.

 

O “combate” bíblico à violência contra a mulher

 

Olhando para a Bíblia e sua visão da mulher, vemos Deus apresentando-as em igualdade aos homens, embora na esfera familiar  possuam papéis diferentes (e fique claro: não estamos falando de serviços domésticos… isso é assunto para outro momento). No Gênesis, ela é vista como tendo as qualidades divinas da inteligência, sensibilidade, vontade, e governo, por exemplo, porque: Assim Deus criou o ser humano à sua imagem, à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou (Gn 1:27 NTLH). Ver a mulher como tendo a imagem do Senhor é uma concepção que contribui para olhá-la com dignidade e amor. Isso tem que estar presente nos púlpitos e nas rodas de conversas dos cristãos.

O Novo Testamento apresenta uma série de destaques a esse olhar de igualdade e valorização feminina. Quando fala do contexto de casamento, o apóstolo Paulo trata a submissão como parceria na família, nunca como menosprezo e indignidade (Ef 5:22-24). Aliás, antes de falar da sujeição da esposa no casamento, o apóstolo nos dá um mandamento: Sujeitem-se uns aos outros no temor de Cristo (Ef 5:21). O equilíbrio nas relações, entre homem e mulher, é ensinado tanto na esfera familiar como na sociedade e na comunidade cristã.

Mas o mais radical e surpreendente é o cuidado com o qual Paulo trata do respeito de maridos para com suas esposas. O tratamento que o esposo dá à mulher é baseado no exemplo de amor de Cristo para com a Igreja. E ainda mostra porque o homem deve dispensar um cuidado tão especial: Porque ninguém jamais odiou o seu próprio corpo. Ao contrário, o alimenta e cuida dele, como também Cristo faz com a igreja (Ef 5:29). Veja que é no ambiente familiar que o apóstolo mais reforça a importância de um tratamento digno, protetivo e não violento à mulher. De certa maneira, podemos tirar deste comportamento conjugal exemplo do tipo de trato que todos os homens, especialmente os cristãos, devem ter para com as mulheres, pois: …não existe diferença entre judeus e não judeus, entre escravos e pessoas livres, entre homens e mulheres: todos vocês são um só por estarem unidos com Cristo Jesus (Gl 3:28 NTLH).

Concretamente falando, homens cristãos não podem olhar para a mulher como a cultura, que a subjuga em posição de inferioridade. Não deve permitir que homens violentos tenham espaços nas relações com elas. Devemos ser combativos, trazendo à tona este tema em rodas de conversas nas nossas igrejas; os números disponíveis pelos governos devem ser divulgados e a denúncia no 180 deve ser uma ação sempre praticada, já quando há quadros de violência verbal, evitando que a violência física seja praticada. Denunciar não é pecado, afinal …a autoridade é ministro de Deus para o seu bem. Mas, se você fizer o mal, então tenha medo, porque não é sem motivo que a autoridade traz a espada; pois é ministro de Deus, vingador, para castigar quem pratica o mal (Rm 13:4).

O combate à violência doméstica antes de ser uma pauta feminina e/ou masculina, é uma pauta cristã! Portanto, é coisa de homem sim! Os homens cristãos devem abraçar o debate, combater a violência e dar ao assunto a importância, visibilidade e olhar cristão que ele merece. Na violência doméstica devemos lembrar que o combate vai muito mais além da oração.

 

 

6 de dezembro: Dia Nacional de Mobilização dos Homens pelo Fim da Violência Contra as Mulheres[1]

 

O Dia Nacional de Mobilização dos Homens pelo Fim da Violência Contra as Mulheres é datado anualmente em 6 de dezembro. A campanha, conhecida como “Laço Branco”, busca conscientizar o público masculino para lutar esse combate em relação às mulheres.

A data criada no Brasil para lembrar a importante pauta, é uma alusão ao que ocorreu em 1989, quando homens se mobilizaram para distribuir laços brancos e falar sobre o tema, após o genocida Marc Lepine invadir uma escola politécnica em Montreal, Canadá. Lepine pediu a retirada dos homens da sala de aula, e assassinou 14 mulheres na ocasião. O ocorrido, 6 de dezembro daquele ano, ficou conhecido como o “Massacre de Montreal” e gerou esse marco em todo mundo. Até o dia 25 de dezembro, foi estabelecido pela ONU como o Dia Internacional de Erradicação da Violência contra a Mulher.

No dia 6 de dezembro diversas entidades de governos e sociedade civil, além da distribuição de laços brancos, promovem debates, passeatas, fóruns públicos, conscientização da participação masculina no debate e combate à violência. Homens são chamados em parceria para ajudar nas conquistas femininas.

Andrei Sampaio Soares, Diácono na Igreja Adventista da Promessa em Benguí – Pará,  teólogo e graduando em jornalismo.

Versão Digital

vin_aplictaivo_250px

ATENÇÃO: A forma de distribuição do conteúdo das Lições Bíblicas em formato digital mudou. Leia o AVISO para mais informações.

logo